terça-feira, novembro 29, 2011

Última espera?

Pergunto
à noite
por que demoras...

Ela responde
com o rugido
do trânsito.

Nem parece noite:
cada janela
cancela
a treva...

Mas é noite!
E, dentro dela,
cato teu rosto.

Tua palavra
mansa
será a minha bússola...

7 Comments:

At 2:32 PM, Anonymous Jailton J. said...

Última?

 
At 7:49 PM, Anonymous Anônimo said...

Flávia, muito bonito. Vai reunir em livro?
André Resende

 
At 1:38 PM, OpenID lituraterre.com said...

Flávia, seu blog é um presente a mais que ganhei no dia de Clarice. Sua sensibilidade parece não conhecer limites. Sua letra me agrada. Sua letra é macia.
Pedro Gabriel
www.lituraterre.com

 
At 6:57 PM, Anonymous Anônimo said...

Amiga.

É preciso ter vivido bem. Depois ter sensibilidade. Depois ter talento. Para nascer um poema assim.

Reúna em livro. Vai ficar muito bom.

Luis Manoel Siqueira

 
At 11:43 PM, Anonymous Raquel Paiva said...

Flávia, estou precisando MUITO falar com você. Por favor me manda um e-mail do seu e-mail. Beijos. Raquel Paiva - Núcleo

meu e-mail: quequel_limapaiva@hotmail.com

 
At 7:54 AM, Blogger Karla Elizabeth said...

Ah! Que saudade da tua palavra, Flavinha! Sempre tão esperançosa. Sinto falta da esperança que sai do teu pensamento e vira poesia. A esperança que foi meu alicerce o ano inteiro... Agora ficou o seu blog e, assim, mato minha saudade.

Karlinha.

 
At 7:43 PM, Blogger tocadaspacas said...

Os teus alunos voltam sempre e, distanciados de ti, com maior saudade ainda: não de ti, mas deles mesmos e da espessura da vida que neles lateja - tudo o que puderam perceber nas aulas de literatura. Você é esse lugar de encontro - e essa saudade deles é luz lembrante.

Genésio Fernandes

 

Postar um comentário

<< Home