domingo, novembro 16, 2008

Uma história sobre tudo - 1

Há cinco semanas, começaram os rumores sobre eles: eram irmãos biológicos, não podiam ser separados, não deviam ser separados. Se há idéias claras no mundo, essa é uma, todos concordam, pelo visto.
Minha irmã, que esperava há anos uma menina, ficou, incialmente, confusa:
– Não quero ser a personagem de “A escolha de Sofia”, foi o que primeiro exclamou sobre a situação.
Logo depois, no entanto (ou portanto), enunciou:
– Vou adotar os dois, a menina se chama Vitória, o menino não tem nome.
A aula que dei logo depois desse parto, foi em lágrimas e sem pé nem cabeça.
Aí eu, a diretora do Departamento de Digitação e Marketing deste blog (minha irmã Débora) e a parturiente (minha irmã Lívia) corremos ao centro da cidade para compras emergenciais: cuequinhas, calcinhas, fraldas descartáveis, shorts, blusas, vestidos, camisetas, camisolas, pijamas e companhia ilimitada...
Lívia tem uma memória prodigiosa e sabia de cor os erros e os acertos de sua primeira adoção repentina. Diz ela que errou na quantidade de roupas e de cobranças e, com esse raciocínio, comprou uma montanha de roupas cuidadosamente combinadas e botou o pé na embreagem das expectativas. Pelo que entendi, adoção é uma coisa de repente, não há aqueles nove meses básicos para a gente se acostumar e ir comprando devagar as coisas de um tamanho que todo mundo sabe qual é. Principalmente as adoções dela, que nunca fez questão de acessórios desimportantes como cor e idade.
Na verdade, nós todos da família temos a instalação trocada e costumamos pensar diferente da maioria, que se há de fazer?...
Três semanas, uma viagem, um encontro com o juiz e com a conselheira tutelar, um rio de lágrimas e um milhão de palavras depois, eles chegaram, assustados.
O menino mais novo ganhou um nome, Caio. Tem um ano e sete meses, balbucia algumas onomatopéias e tem cílios de girafa. Sua costela quebrada ficou facilmente para trás; a nova rotina de cama com lençóis limpos, banhos e comida quente na hora certa deram a ele uma beleza rápida e sua agressividade inicial foi mágica e rapidamente substituída pelo carinho. Hoje mesmo, enquanto trocava sua fralda, Lívia ganhou um abracinho gostoso. Afora coisas inescapáveis de toda criança, que encantam, irritam e cansam ao mesmo tempo e que todos nós conhecemos, segue seu novo caminho, no seu lugar de mais novo.
Seus pais, pensando alto e aprendendo, disseram-se entre si:
– Vixe! O mais velho chegou dessa idade, tão pequeno, não é? Parecia tão grande... A gente errou aí...
Mas eu lhes disse que o filho mais velho é assim, está tudo certo. Minha avó mesma já dizia que tio Saulo apanhou mais, sendo o mais santo. Vai ouvir a vida inteira algo como: “Logo você, o mais velho, que devia ajudar, dar o exemplo...”
E é assim que o mais velho, que hoje tem seis anos e se chama Mateus, está seguindo seu caminho, agora, com a novidade da chegada dos irmãos.
– Eles vão ser meus irmãos para sempre?
– Sim, minha irmã respondeu.
E ele botou uma cara híbrida entre bom e ruim, exatamente começando a saber um irmão, com tudo de duro e caroável, como diz Bandeira, que isso tem. Deu uma regredida, tem batido nos irmãos e mais tem apanhado deles, mas, certamente, logo entenderá que coração é de elástico.
Vitória foi a que mais tempo ficou exposta às intempéries, mas sua beleza já está raiando, como uma aurora certa depois da noite. Devagar, seu pavor noturno e sua ânsia pelos nossos braços estão sendo substituídos pelo brinquedo, que é o supérfluo mais necessário que conheço para crianças.
Já nos munimos de um verdadeiro arsenal para enfeitar seu fuá e já recebemos treinamento intensivo da nossa cabeleireira para lidar com esses novos fios, tão diferentes dos nossos. Mas saímos vencedoras: depois de vinte piranhas, cinco faixas, um diadema, incontáveis tererês, dois pentes e muitos cremes, ela saiu linda ontem para um aniversário.
A fartura geral da festa ainda a assustou. Mas ela saiu por cima e ninguém notou.
Cá para nós, ela abana fogão, dá banho “tcheco” nas bonecas, encanta-se com a água da piscina e pergunta o tempo todo: “Tem pra Tatá?” (“Tatá” é como ela chama o irmão mais novo, tentando dizer “Cacá”), como se o fantasma da falta ainda rondasse as suas vidas. Certamente, isso passará logo e será motivo de riso, mais tarde. Por enquanto, me dá vontade de chorar.
Lívia tem se queixado de que ela está tão deslumbrada com a tecnologia, que é ecologicamente incorreta: passa o dia todo dando descarga, acendendo a luz, ligando e aumentando a tevê... Eu a defendi, com o argumento de que ela tem créditos de carbono, pelos três anos que viveu na pindaíba do sertão.
Ser tia adotiva é uma riqueza sem medida. Tenho revisitado meus partos, meus filhos crianças que já perdi; tenho lembrado suas histórias, suas perguntinhas inocentes e difíceis, às vezes; tenho revivido as dificuldades e as perdas e, por outro lado, tenho o saldo dos saberes e dos ganhos que acumulei.
As dificuldades do processo nos aproximaram, como sempre acontece entre nós, e meu cunhado, o pai dessas crianças, que brinca dizendo que, quando Deus não dá irmã, o diabo manda cunhada, exausto, depois do primeiro fim de semana, terminou por exclamar:
– Nunca mais vou falar mal de minhas cunhadas!
A facilidade com que os meninos aderiram ao “papai” (e ao “mamãe”) confirma seus muitos acertos e poucos enganos. Seu exercício da função paterna nesse contexto superpovoado é bonito de ver.
Esses sobrinhos novos restauram minha vida, recarregam minha capacidade de amar, estendem minhas possibilidades de ser amada, confirmam minha certeza no diálogo e me encorajam para lutar pela idéia de que passado não é gaiola, mas chave.

28 Comments:

At 12:09 AM, Anonymous Anônimo said...

A capacidade de uma mãe criadora,educadora e formadora de opiniões dos seus próprios resultantes,já deixa você biologicamente e hierarquicamente superior a mim no sentido de:
"recarregam minha capacidade de amar, estendem minhas possibilidades de ser amada, confirmam minha certeza no diálogo e me encorajam para lutar pela idéia de que passado não é gaiola, mas chave."
Eu posso muito bem amar do jeito de um primo ou seu até um mentor de obras geniais dos mesmos...Resumindo,foi muito bonito o que você escreveu,lindo mesmo é o que você escreveu na minha vida como filho de uma mãe tão genial,sou orgulhoso por ser apenas seu filho!
Seu filho,Diogo

 
At 10:31 AM, Anonymous Fernanda Bergamo said...

Eita, Flavia! Eu ia comentar seu belo texto, dar parabens a nova e bela familia, mas o comentario de seu filho foi uma doce paulada no meu coraçao de mae. Que pessoa abençoada voce e... Que mae... Que irma... Que cunhada... Que tia... Beijo, Fernanda Bergamo
PS- Deu pra perceber que meu computador esta de mal dos acentos, nao deu?

 
At 12:01 PM, Anonymous Adrielle Mayara said...

Sou uma pessoa que dificilmente se rende às lágrimas, mas não tive como me segurar dessa vez. Eu me encanto com a sua história de vida a cada semana que passo com você. É uma vontade incontrolável de aprender cada vez mais não apenas sobre a Literatura, mas sobre a vida, sobre a forma de enxergar o mundo com outros olhos que sejam mais ativos, críticos e sensíveis. Após cada momento que passo com você, mesmo os mais singelos que não passam de um simples gesto, eu me sinto uma nova pessoa. Outrora com uma força imensa de lutar pelos meus sonhos, outrora mais amorosa, mais delicada, mais cheia de energia.
Imagino que é exatamente dessa forma como seus sobrinhos estão se sentindo. Eles, no momento, têm o feliz prazer de conviver com você todos os dias e receber esse amor sincero a cada instante. Sei que essa é uma fase muito delicada e que mexe com toda sua família, mas para Mateus, Caio e Vitória essa mudança deixa de ser abrupta e se ameniza um pouco apenas com a presença e o carinho constante que sua família está disposta a oferecer. Me faz muito bem imaginar que essas crianças terão a chance de enxergar o mundo através de lentes coloridas, que depositam uma esperança no futuro e se distanciarão das lentes bicolores que apenas conheciam o lado amargo da vida. Parabéns pelos sobrinhos, pela família linda e forte e obrigada por fazer de mim uma pessoa cada vez melhor.

 
At 1:26 PM, Anonymous Anônimo said...

Flávia, querida
revisitar você é um bálsamo para a vida.
Linda a forma como você compartilha sua vida conosco e nos emociona tanto ... mas, mais lindo ainda, foi ver o depoimento de seu filho, confirmando a pessoa especial que você é !!!
Fiquei muito emocionada e, como ele tem orgulho de ser seu filho, eu tenho orgulho de fazer parte do que você chama de Amigas.
Você marcou minha vida para sempre e quero resgatar algumas daquelas nossas conversas para transformar em ação um projeto sobre o qual falamos.
Logo, logo lhe telefono.
Abraço carinhoso
Rosário

 
At 10:20 PM, Blogger Rafaela said...

LINDO!
Morri de rir e chorar...
Como sobrinha das 3 irmãs e prima desses mais novos membros de nossa família fico orgulhosa!
E que venha o próximo!
Amo vcs!
Rafa Suassuna

 
At 9:02 AM, Anonymous Anônimo said...

Parabéns, amiga.

Luis Manoel Siqueira

 
At 12:39 PM, Anonymous Anônimo said...

Flávia

Meu nome é Silvia.Sou mãe adotiva de gêmeos, hoje, com 12 anos de idade. Sou amiga de Livia, porém depois da adoção de Mateus por ela, perdemos o contato. Bom, foi uma imensa alegria através do teu blog receber essa noticia maravilhosa. Diga a Lívia que fiquei emocionada com a chegada de Caio e Vitória e agora espero que possamos logo, logo, voltar a entrar em contato. Meu e-mail continua o mesmo.
Dê um grande beijo nela e nas crianças.

 
At 5:04 PM, Anonymous Anônimo said...

O texto e a história dentro dele são lindos. É bom ver que no meio dos aperreios também nascem flores.

Um beijão!
Bernardo.

 
At 12:08 AM, Anonymous Anônimo said...

Flávia,

Sonhei contigo essa semana, não sei bem como era o sonho...sei apenas que nele pude reviver um pouco do gosto de te escutar. Por isso, em corpo físico, vim aqui te ouvir em palavras escritas.
A grande coincidência é que minha família está passando por algumas dificuldades com minha tia...para não me prolongar muito só basta relatar que tenho seis primas adotadas por essa mesma tia.
A beleza do teu texto e da história nele narrada, tenho certeza, será uma injeção de ânimo, vida, renovação, amor e força para ela. Será poder reviver em outrem a felicidade que o amor nos traz e poder reencontrar a potencialidade do presente.
Só queria te pedir permissão para "usar" de você para cuidar de alguem.

Apesar de estares sempre um pouco em mim, são imensas as saudades de ti e dos momentos vividos no ano passado.

Parabéns pelo texto, pelos sobrinhos, por tudo...
Abraços...

Rafael Alex (Rafa)

 
At 8:25 PM, Anonymous PAULO said...

Agente sempre revive a infancia quando nos deparamos com as atitudes nao planejadas dos pequeninos que nos arrodeiam.Será que vão fazer o que fizemos?as brincadeiras que colocamos novas regras e adaptamos aos nossos desejos.Amei essa fase de minha vida,apesar de pedras que se superam aos poucos.Então fico feliz pelas suas atitudes de carinho e afeto com os seus novos sobrinhos.Vcs estão retirando as pedras que o "mundo" os colocou de início.Essa é a prova que vc tenta con-viver ,como vc mesmo diz em sala.Tu me ensinas tantas coisas humanas,te AMO.bjsss

 
At 12:07 AM, Blogger Hérica Karina said...

Lindo! Entre risos e lágrimas, começo a perceber a dimensão do que é ser mãe e a o maravilhoso de ser tia. Parabéns pelas belas palavras e pelo imensurável apoio dado a Lívia, ao seu esposo e aos lindos filhos. Parabéns!

 
At 10:09 AM, Anonymous Vicentina said...

Meu Deus, Flávia! Quanta beleza, quanto amor, quanto sentimento... Vocês são todos lindos!

 
At 11:13 AM, Anonymous Anônimo said...

além da mãe que acabam de ganhar, que felicidade ter uma tia tão sensível e capaz de ensinar-lhes que passado não é gaiola, mas chave. O essencial!
Só fiquei me perguntando (com uma certa inquietação) se o meu Diogo diria algo pelo menos um pouquinho parecidocom o que disse o seu... Muito carinho de sua tia, Danielle

 
At 9:05 PM, Anonymous Bruna Lafayette said...

Tia, que ótima notícia, fiquei superfeliz quando li o seu e-mail!
E, quando li o texto no blog, comecei a chorar feito um bezerro
desmamado! Juntou saudade com felicidade! Fico feliz por todos!
Imagino como Mateus deve estar eufórico com os novos irmãos!
Queria que você me mandasse uma foto pra poder ver como eles são,
mas pelo texto já fiz um desenho lindo deles na minha cabeça!
Ouvi por tanto tempo os rumores da irmãzinha de Mateus que saber
agora que ele tem 2 é maravilhoso! Tia Livinha deve estar numa felicidade só!
Por favor, mande beijo pra todos e um beem gostoso pra Mateus!
Saudades, Bu.
Beijo

 
At 11:02 PM, Anonymous Anônimo said...

Olá, Flávia! Sou uma das alunas de Lívia que foi sugestionada a ler seu texto pela a mamãe mais coruja da UFPE.É verdade que minha primeira leitura não foi aquela que pode ser chamada de voluntária, mas é igualmente verdade que não pude deixar de fazer uma segunda, terceira, quarta e ter vontade de tornar a ler futuramente. Minha mãe me acompanhou em uma das leituras e se sentiu particularmente contemplada com o trecho: "Já nos munimos de um verdadeiro arsenal para enfeitar seu fuá e já recebemos treinamento intensivo da nossa cabeleireira para lidar com esses novos fios, tão diferentes dos nossos. Mas saímos vencedoras: depois de vinte piranhas, cinco faixas, um diadema, incontáveis tererês, dois pentes e muitos cremes, elas saiu linda ontem para um aniversário."
Mainha que tantas vezes teve entrar em batalha com meu "fuá" presta solidariedades a vocês que estão entrando no time de mães e tias de meninas afrodescendentes e manda avisar que tais garotas são normalmente muito vaidosas, o que consome muito tempo e paciência da família, e, também agradece por você ter transformado esse ritual de beleza em objeto de literatura.
A Lívia eu já disse que os filhotes dela são super, hiper, ultra, mega fofos; resta dizer a você que seu texto é delicioso. Parabéns!
Noadia Iris

 
At 9:50 AM, Anonymous Lu Suassuna said...

Pimpa,
Recebi por e-mail a foto dos “três porquinhos” e fiquei muito emocionada com suas palavras no blog. Adorei a notícia da chegada deles e pelo visto a estréia foi maravilhosa... Espero que eles amem esta família fantástica que temos. Que sejam bem vindos! Pode ter certeza que esse momento está sendo comemorado com alegria por todos, principalmente agora que participamos um pouco desse começo, desse parto!!! Hoje, mãe da segunda, imagino o desdobramento de vocês com esses três...
Parabéns e tudo de bom.

 
At 11:46 AM, Blogger Magna Santos said...

Flávia, há dias atrás, li este texto. Engoli o choro, na tentativa de não chorar em pleno trabalho, sair do computador com os olhos marejados para atender outros tantos pequenos. Doces emoções que nos pegam sem aviso prévio...assim é a vida. É mesmo uma bênção poder enxergar a vida com esses olhos e compartilhá-la com tanta simplicidade. É muito lindo e bom ver quando a adoção acontece dos dois lados. Que Deus abençoe a todos. Beijo. Magna

 
At 12:48 PM, Anonymous Graça said...

Pimpa querida,
deu-se o revertério ao ler seu lindo texto - ria e chorava. Depois de umas piruetas, passei a cantar por uns dias:
"Se todos fossem iguais a 'vocês'..." em frente a um Zeotamar espantado com tanta exaltação.
Abraços apertados para todos vocês, que têm corações de amar.
Muitos beijos,
Graça.
Estou lendo as outras coisas lindas no meu vagar costumeiro.

 
At 12:58 PM, Anonymous Normanda said...

Flávia,
costumo dizer a alunos e professores pra quem levo seus textos maravilhosos que é de ficar roxa de inveja de
quem é capaz de escrever assim. As pessoas acham graça, mas outro dia alguém disse "mas você também escreve bem"; aí eu fiquei toda toda...
Um beijo pra você que exercita a maternidade, sua maternidade, e também a das mães de última hora, que são aquelas que de tão plenas de maternidade, dão pra parir repentinamente, porque estão por demais plenas de ser-mães.
Quando exercia a enfermagem, cheguei a fazer partos. Sentir a criança pular nas nossas mãos, aflitas por não derrubá-la, é mágico, assim como é sentir o bebê se mexendo na nossa barriga. Mas me diga se não é mágico
também encher-se de amor por aquele ser diante de nós e já resolver "sim, é meu filho".
Outro dia, num consultório, conheci uma mulher ainda jovem que me disse que nunca ia poder ser mãe, que era seu sonho, por um problema de saúde. E eu, me lembrando de Lívia: claro que você pode ser mãe, tenho uma amiga que adotou um filho e é plenamente feliz com a maternidade. Você precisa é descobrir outro jeito de ser mãe.
Sim, gosto de ver você na TV, falando de Lima Barreto ou de Machado. Quando freqüentou seu curso, meu filho adorava suas histórias e chegava contando. A vida é mesmo assim, cheia de cruzamentos, de "tranças".
Grande beijo,
Normanda.

 
At 3:15 PM, Anonymous Anônimo said...

Oi Flávia, seus textos motram o quanto você tem de amor para dar... quanta beleza...
Não é atoa que seus alunos são apaixonados por vocês,aliais por vocês.
Parabéns pelo amor dessa família linda.
Parabéns pelos textos

 
At 7:48 PM, Anonymous Anônimo said...

Flávia!
Os temas da redação da UPE (os dois) já tinham sido temas do seu curso!
Parabéns!! E obrigado!

 
At 2:09 PM, Blogger Thelma said...

Que liiiiiiiiiiiiiiindo!!!!!!! Os dois últimos posts abalaram!
Fiquei emocionada!

 
At 11:41 PM, Blogger Abelânia said...

Flávia!

Lindo! Adorei.
Seus comentários só enfatiza mais ainda quando digo (dizemos) os filhos adotivos são nossos por apção. O amor é incondicional.
Tenho certeza que Deus mais uma vez, foi o meu guia na escolha da família dessas crianças.Tias fantásticas, pais adoráveis. "Que assim seja... Beijos para todas e todos.


Abelânia (Bela Siqueira)

*Conselheira Tutelar

 
At 11:00 AM, Anonymous Anônimo said...

Pimpa:
Assim que minha mãe - Graça, um pouco sua também (eu deixo), me falou sobre seu blog fiquei doidinha pra conhecer.
Lindas e comoventes histórias!
Também, vindas de quem vieram, só poderiam ser assim: emoção derramada em palavras.
Chorei e choro, pois é desse jeito que costumo alimentar minha alma e, assim, continuar na luta da vida, tentando não me deixar ficar insensível ao me deparar com tantos episódios de falta de amor que nos cercam a cada dia.
Parabéns a todos!
Beijo carinhoso
Dida

 
At 7:28 PM, Anonymous Anônimo said...

Quando eu penso que conheço vocês, vocês me surpreendem e mostram as incontáveis qualidades que transpiram. Quando estou na companhia de vocês, sinto-me mais sensível, melhor.
Como a conversa que tivemos recentemente naquele momento de confraternização, reviver as narrativas sobre os seus novos sobrinhos, ao ler seus textos, tocou-me mais uma vez não só o coração, mas também a alma.
Obrigada pelo presente de partilhar conosco esse momento tão único na vida de sua família.

Alexsandra Karla

 
At 9:12 AM, Blogger Rubiane said...

Meninas Suassunas,
Deus sabia o que estava fazendo quando as reuniu no mesmo lar. Ele queria potencializar ao extremo amor ao próximo e coragem para grandes mudanças.
Desejo a vocês tudo de bom que houver nessa vida.
Um grande abraço cheio de sorte.
Rubiane

 
At 10:26 PM, Anonymous Felipe Casado said...

Oi Flávia,
Cá estou fazendo uma visitinha no seu blog! Que bom que a adoção tem iluminado não só a vida da sua irmã e de seu cunhado, mas a de cada um da família. Eu defendo sempre a adoção porque durante anos convivi com outros pequenos que(ainda) não tiveram a mesma sorte de Mateus, Vitória, Caio e Ricardo. Felicidade para todos!

Adorei a nossa conversa, aumentou ainda mais a admiração que eu já tinha por você.
Abraços,
Felipe.

 
At 3:51 PM, Anonymous Anônimo said...

Que lindo! Deslumbrante! Obrigado, flávia, por poder desfrutar dia a dia suas divagações. Te amo!

 

Postar um comentário

<< Home