quarta-feira, dezembro 09, 2009

Do Brasil, com tolerância

Ocorre o mesmo com o documento oficial – sobre direitos humanos – que é apresentado hoje no Conselho de Direitos Humanos. Resumo ficcional do que temos, lenda em tinta rosa e glossário triunfalista que se afasta – anos-luz – do que vivemos. Obra de exímios literatos, ela deve ser lida como um texto romanceado de certos autores que evitam escrever o livro de bordo, real, do naufrágio.” (Yoani Sánchez)


Ganhei de presente o livro “De Cuba, com carinho”, de Yoani Sánchez. Ele reúne textos do blog da autora, “Geração Y”, e contém suas ideias acerca do dia a dia da ilha.

Yoani já ganhou prêmios internacionais e foi considerada uma das cem mulheres mais influentes do mundo, em virtude dos inquestionáveis e inumeráveis acessos ao seu blog. Seus textos são de uma simplicidade contundente e suas reivindicações, de uma obviedade desconcertante para quem mora fora de Cuba.

Mas o livro está na linha do tiro. Ao lado do de meu amigo Samarone, “Viagem ao crepúsculo”.

Em ambos, há referências à realidade esquizofrênica de Cuba, ou seja, à coexistência de duas Cubas – uma real, outra irreal (ou, usando Manuel Bandeira, “a que podia ter sido e que não foi”).

A Cuba real se escreve com rejeição, exclusão, intolerância, intransigência, limite, controle, clausura, confinamento, improdutividade, intimidação, desrespeito à privacidade, lei do mais forte, deterioração de valores éticos, ocultação, insegurança, carências de toda sorte (ou azares, eu diria), fome... Palavras que foram todas retiradas do texto da referida autora.

A Cuba ideal, qualquer pessoa de minha geração sabe qual é: saúde, educação, segurança e transporte de qualidade para todos, temperados com tudo de bom – fraternidade, liberdade e ética... Dito assim, parece uma sociedade gestada em Júpiter...

Na verdade, Cuba é o último baluarte do que chamo mundo bipolar, aquele no qual há apenas dois modos de pensar que se opõem: um certo, outro errado; um errado, outro certo. Ponto. Simples assim! Se você adora o “american way of life”, você odeia a “manera cubana de vivir” e vice-versa. Mas a verdade tem mais nuances, infeliz ou felizmente, é o que dizem os autores em questão: o comunismo é disfuncional, seus líderes levam ao precipício e à falta liberdade, essa palavra que ninguém define, mas que todo mundo sabe quando falta, de acordo com Cecília Meireles. Além disso, os seres humanos somos uma infinidade incontrolável de projetos, sonhos, aperreios e buscas que nos impulsionam para fora de todas as prisões (Cecília Meireles tem razão quando diz que há espaço e jeito dentro de qualquer presídio). Em outras palavras, a liberdade é irrenunciável e matá-la é matar o que nos faz humanos. Seis bilhões de pessoas não têm “uma só história, uma só ideia, uma só vontade, por todos os tempos”, como se pretende em Cuba, mas seis bilhões de histórias, seis bilhões de ideias, seis bilhões de vontades, seis bilhões de sujeitos... Se, assim, somos difíceis de governar, paciência... Problema dos governantes...

Desqualificar a palavra dos autores é estar engessado num jeito de pensar que, em 1989, ruiu com o Muro de Berlim; é não aceitar um mundo multipolar, como o chamo; é ter preguiça de pensar, pesquisar, estudar, para enxergar mais e melhor; é desconhecer que temos muitas fomes e muitas sedes e, portanto, simplificar nossas plurais idiossincrasias que fazem de nós esse colosso, esse fracasso ou esse perigo que somos; é não admitir que paradigmas se esgotam, como já ocorreu antes e voltará a acontecer mais tarde...

Pensar que os autores não deviam ter dito o que disseram é negar o direito inalienável da expressão, que, junto da liberdade e da pluralidade, faz de nós o que somos.

Neste momento em que precisamos tanto humanizar nossas relações, como fazê-lo, desumanizando o homem, ou seja, tirando dele o que o diferencia do animal?

Forjada na literatura, eu não sou assim; sou é curiosa, capaz de morrer lutando pelo direito de expressão, mesmo correndo o risco de alguém dizer uma opinião diferente da minha, o que não me ameaça, mas fortalece e engrandece.


P.S.: Republico abaixo outra resenha, complementar, sobre o mesmo assunto, digamos assim, e convido à leitura do texto “Aos nossos alunos – 2” (no arquivo ao lado, em novembro de 2009), que foi o discurso que proferi na formatura de meus alunos neste fim de ano.


A Lula Couto, que me deu o livro de presente.


Nosso século

Há pouco ganhei de presente um livro chamado “Cisnes selvagens”, da autora chinesa Jung Chang, e, devagar, pude desfrutar de uma descrição nua e crua da história da China ao longo do século XX. Essa leitura, ao lado do filme “Lanternas vermelhas”, do diretor chinês Zhang Yimou, a que tive o privilégio de assistir recentemente, por acaso, fizeram-me mergulhar longamente em mim mesma e no meu tempo. Sim, porque o livro ou o filme bons não são aqueles que a gente vê, mas os que ajudam a gente a se ver.

O “Cisnes selvagens” é um longo e ressentido relato de uma chinesa que, através da história de sua avó, de sua mãe e de sua própria, retrata o difícil século XX na China, numa perspectiva feminina. É, portanto, o livro uma espécie de reportagem biográfica que caiu fundo em mim também porque é obra de uma mulher. É claro que, geralmente, visões quebradas (como as de geração, gênero, raça, classe ou partido) não dão um resultado totalizante apropriado. Mas acompanhar o raciocínio da autora me fez mergulhar neste século que me coube e pensar sobre o que parece dar a ele uma aura de benefícios incalculáveis para as mulheres.

Quando a autora veio para o Ocidente (ela mora na Inglaterra e, hoje, é casada com um inglês), impressionou-se com a igualdade que prevalecia nas relações sociais e pensou que não havia diferença entre as pessoas. É que ela vinha de uma sociedade em que os estratos sociais equivaliam a direitos diferentes e ser filho ou ser de determinada classe eram impedimentos ou facilidades irrevogáveis na China.

Sua vivência na Inglaterra, mais tarde, mostrou-lhe que as pessoas eram diferentes, mas havia uma questão fundamental: o mais forte não tinha o direito de maltratar o mais fraco, nos países ocidentais, como acontecia na China. Sua avó, por exemplo, era concubina de um homem poderoso e, quando ele morreu, sua primeira esposa tinha o direito de mandar matar todas as outras, mas, felizmente, essa não era a sua vontade, e sua avó foi poupada.

É doloroso demais ter acesso a um relato tão claro sobre o malogro do jeito de pensar que norteou tão fortemente a minha geração: é que a Revolução Comunista não quebrou, mas apenas se serviu dessa lógica, e ser filho de proprietários de terra ou de comunistas de primeira hora fez da China um lugar horrível para as pessoas que, como a autora, eram crianças ou adolescentes durante a Revolução Cultural e depois dela.

Uma idéia está por trás de tudo – a de que os fins justificam os meios. E os fins foram adiados e adiados, e os meios foram adquirindo a face tenebrosa de genocídio... A bela utopia da igualdade foi afundando, presa à da liberdade e à da fraternidade... E quedamos todos sem contrapartida... Havia dois jeitos de pensar no século XX – um achava que era o certo e que o outro estava errado e precisava ser substituído...

E num mundo de quase sete bilhões de habitantes só há dois jeitos de pensar? E na China comunista ainda prevalecia a lógica da hierarquia? E a igualdade significa igual acesso à matéria ou sacrifica, necessariamente, a liberdade? É possível “passar uma régua” e fazer todos pensarem uniformemente? E há diferença entre o perigo de uniformização para padrões de consumo e o de uniformização para posições políticas, filosóficas e existenciais? E pensar certo é pensar numa só direção? E seremos felizes quando todos pensarmos de um só jeito e quando tivermos o mesmo ponto de partida e o mesmo ponto de chegada? E porventura todos desejam a mesma coisa? E o ponto de partida, dentro da diversidade humana, pode ser igual? E o ponto de chegada existe? E, depois de descobrirmos que a resposta a essas perguntas é “não”, o que faremos de nós?

Por seu turno, o “Lanternas vermelhas” me impele a outro raciocínio: acompanhamos a chegada de uma quarta esposa ao palácio de um poderoso senhor e a sua queda subseqüente pela lógica da hierarquia e da competição que, apesar de ser desfavorável a todas as mulheres da história, é a que predomina entre elas, pois não conseguem sair dela, já que ainda não estão prontas.

A espetacular revolução do século XX não foi a ruidosa Revolução Comunista, mas a silenciosa e desanunciada Revolução Feminina, que trouxe um novo papel para a mulher e, conseqüentemente, um novo homem, uma nova família, um novo filho, uma nova filha, um novo tempo... Pena que esse despertar, como todos, seja um processo penoso e custoso... Pena que o homem esteja impactado e, confuso, ainda não saiba ser partícipe dessa nova mulher que tão depressa apareceu diante de seus olhos... Ou não foi capaz de perder sua posição privilegiada, sem saber que há perdas necessárias... Pena que nem todas as mulheres conseguiram ainda acessar o roteiro da mudança, presas que permanecem dentro da lógica que as penaliza...

Como sempre, rumaremos em frente e negociaremos nossas vidas e nossos futuros como nos for possível, todos nós – homens e mulheres. Seres narrativos que somos, contaremos nossas histórias uns aos outros e seguiremos fazendo mudanças, assimilando perdas e aproveitando ganhos, desistindo de umas coisas e mantendo outras, tateando... O que não podemos de jeito nenhum é abrir mão uns dos outros e achar que ser feliz sozinho é suficiente.

7 Comments:

At 10:30 PM, Blogger Maria do Rosário said...

Flávia
abaixo um texto de outro blogueiro, sobre a questão Yaoni X Frei Betto, que tanto admiro e estranhei muito os comentários.
Acho que um movimento energético foi começado sobre o que acontece naquela pequena ilha e que chama a atenção do mundo inteiro. E está se estaendendo.!
Para quem quiser ver o original, copiei o nome do blog:
http://rudaricci.blogspot.com/2009/12/frei-betto-ataca-yoani.html

"Frei Betto ataca Yoani

Num artigo desnecessário, Frei Betto procura desqualificar as críticas de Yoani. Principal argumento: ela morou na Suiça e implorou para voltar para Cuba. Argumento secundário: ela não posta em seu blog fotos de pobres e mendigos porque não há pobres e mendigos em Cuba.
Por partes:
1) não é estranho que uma blogueira cause tanto transtorno nos governantes de um país? Eu mesmo sou crítico a vários governos e nunca fui tolhido. Até Fidel chegou a citar Yoani em um prefácio de livro. E o blog de Yoani tem apenas dois anos de existência. É um sinal de problemas políticos sérios na Ilha;

2) não é estranho que um escritor brasileiro fique tão preocupado com uma blogueira que apenas posta notas na internet? Não haveria correspondência com o que o próprio Frei Betto disse, uma vez, sobre o governo Lula (que seria governo, mas não poder)? Ué... Yoani tem mais poder que o governo cubano?

3) As fotos que Yoani posta em seu blog já são bem reveladoras da maravilha que é viver na Ilha. Acho que bastam;

4) O que Frei Betto queria dizer quando afirma que Yoani implorou para retornar à Ilha? Que é uma espiã? Que é incompetente? Que deveria ter ficado na Europa? Conheço a Europa e não gostaria de viver no Velho Mundo. Eles não têm nosso humor e se levam muito à sério;

Enfim, Frei Betto poderia deixar a pobre mãe em paz. Nada o impede de defender o regime castrista. Mas implicar com uma menina de pouco mais de 30 anos, que apenas escreve num blog é meio exagerado!
Postado por Rudá Ricci às 22:25
2 comentários:
Angeline disse...
Rudá:
Hà algum tempo venho acompanhando a blogueira do Generación Y, perguntando-me sobre vários lados da questão:
- quais as pretensões da blogueira?
- por que estaria impedida de se manifestar, de sair do país para receber prêmios?
- que país é este?
Já cheguei a pensar q ela pudesse estar sendo patrocinada, mas não há indícios ou nada q isso comprove. Enfim, se pensarmos o blog como ele é, creio que seja legítimo o papel da blogueira em se manifestar e querer uma sociedade melhor p seus compatriotas e nada mais livre que poder travar essa luta através dos blogues, q vão além das fronteiras cubanas.
O Frei Betto esteve recentemente em Cuba, com Fidel e deve ter retornado com o ímpeto de defendê-lo, numa péssima demonstração dos que ainda acreditam num socialismo puro, arcaico e parado no tempo.
Bem, não sou produnda conhecedora como vc, mas o que quero dizer é q a luta travada p Yoani é legítima, válida e está sendo inibida por meios vis, autoritários, q como brasileira, não posso aceitar.
Fico envergonhada de ver q ainda há quem defenda Fidel Castro nesse embate.
Gostaria de ver uma postagem sua sobre o livro da blogueira".

 
At 11:12 PM, Blogger Maria do Rosário said...

Flavinha e amigos
postei um comentário no blog de samarone e coloquei lá, o texto original de Frei Betto pra quem quiser ler.
bjs

 
At 10:10 AM, Blogger Samarone Lima said...

Flávia, a cada debate que participo, vou recebendo mais depoimentos de pessoas que foram a Cuba, em diferentes épocas. É incrível como as histórias se assemelham. A frase que mais me chocou na ilha estava pintada num gigantesco muro. Dizia "Um só povo, uma só vontade, por todos os tempos", de Fidel Castro. Ver "uma só vontade" para 12 milhões de pessoas, é de arrepiar.
Seu texto vai ajudar muito no debate.
Samarone

 
At 1:39 AM, Blogger Maria do Rosário said...

Flávia e Samarone
é preciso anunciar com antecedencia o dia do próximo debate para que as pessoas possam se programar para estarem lá.
bjsssss

 
At 12:45 PM, Anonymous Anônimo said...

Uma pergunta; o que diria um estrangeiro que viesse passar um tempo no Brasil e ficasse em uma favela,sem esgoto,sem saneamento,seus moradores comendo
muitas vezes restos de lixo, o que
diria ele do nosso pais? Que ha li
berdade para todos? Nao ,diria que uns trinta milhoes de brasileiros
moram em um Brasil onde nao ha liberda sequer para viver.Somos do
do Brasil livre, nos que tivemos
acesso a educacao e a saude,mas e
os outros?
Vejamos os problemas de Cuba ,mas
e bom que olhemos para o nosso Bra
sil dos com fome,.sem estudo,sem teto ,onde esta a liberdade deles?

 
At 11:06 PM, Anonymous Lula Couto said...

Defender o regime cubano, imaginando que exista lá uma melhor condição social, é o mesmo que desprezar a DEMOCRACIA. É afirmar que os fins justificam os meios. Lembremo-nos da Alemanha hitlerista, que teve uma melhoria expressiva em sua situação econômica e social, praticamente ZERANDO o desemprego. A democracia é o meio mais seguro e justo para a conquista de melhores condições de vida. Uma ditadura, como a cubana, não é menos ditadura, apenas por que é de esquerda. As mazelas de um regime totalitário aparecem independente da cor ou da ideologia.Toda ditadura é DESPREZÍVEL. Parabéns Flávia

 
At 7:09 PM, Anonymous Anônimo said...

Gostei dos seus textos, li alguns, principalmente deste.

Uma estudante da sua aula de literatura.

Está me dando uma agonia escrever para você, parece que não é permitido errar uma vírgula. De qualquer forma, baseando-me no seu texto, é proibido proibir.

 

Postar um comentário

<< Home