sábado, novembro 18, 2006

Aos nossos alunos

Para uma turma de jovens que estão percorrendo as primeiras veredas, achamos pertinente falar sobre as palavras “esperança” e “sonho”, que, de relance, parecem semelhantes. Mas não são.
O sonho é aquilo que nos forma e nos diferencia. “Futuro” é algo que não existe para um animal, nem “passado”. São, digamos assim, invenções humanas e nos dão uma condição diferenciada da dos outros seres. “Sonho” é algo que tem a ver com esse futuro que nós inventamos e que nos forja como os seres extraordinários que somos.
Entretanto, sonho é também uma bússola que norteia o nosso fazer, porque somos ou nos tornamos aquilo com que sonhamos. Não num passe de mágica, mas numa seqüência longa de escolhas e ações. Para escolhas e ações corretas, aconselhamos coerência entre pensar, sentir, agir e falar, o que é tão difícil como necessário. Saber o sentimento, aprová-lo com a razão de pensar, falar dele em concordância com o agir são o ponto do equilíbrio.
O sonho, portanto, é uma construção tanto coletiva e social (até porque somos também o que se espera de nós) quanto individual (porque é na nossa subjetivação que nos vamos fazendo à medida que escolhemos).
Desse modo, paulatinamente, vamos nos construindo à proporção que escolhemos, erramos, consertamos, recuamos, enfrentamos; enfim, realizamos os nossos quereres.
Mas cuidado! O outro também tem quereres e crescer é uma “cilada”, como diz Caetano Veloso, porque “a vida é real e de viés” e, na verdade, é um embate de vontades e de sonhos.
Realizar seu sonho sem destruir ou impedir o sonho do outro é requisito de paz interior e de consciência limpa, sem as quais ensopamos de lágrimas, de insônia e de violência o nosso travesseiro. “Encontrar a mais justa adequação, tudo métrica e rima e nunca dor”, pegando de novo Caetano, é tarefa de homens, sempre incompleta, precisando revisões, reajustes e dores de toda sorte, mas de que não devemos desistir.
Ah! o outro... essa entidade oblíqua e irritante. Aquele a quem devo, no mínimo, tolerar e que é igual a mim e diferente de mim... Riobaldo, compactuado com o Mal, no “Grande sertão: veredas”, de João Guimarães Rosa, não admitiu “conselho nem contradição”, ou seja, às vezes o caminho do Bem está em ser contrariado. Em confrontar-se com o próximo e sua palavra de diferença.
Pois é: vamos aos poucos nos tornando aquilo com que sonhamos nessa gangorra individual e social de difícil equilíbrio, principalmente numa sociedade de pesos desiguais...
Há ainda outra perspectiva a considerar: sonho é também lupa, porque não podemos sonhar em ser o que não podemos ser. Sonhar é se conhecer e conhecer o mundo ao redor; é conhecer nossas potencialidades e nossos limites; os códigos, os valores sociais, porque subir fraturando-os é, usando Drummond, não escutar “nem o canto do ar, nem os segredos do feno”, ou seja, não considerar o que é essencial.
E a esperança? Onde entra? Também como o sonho, ela não é cega: devemos enfrentar a realidade com coragem, sem nos deixar abater. Esperança é, diante de um sonho malogrado (isso, infelizmente, às vezes, acontece, é preciso dizer), continuar caminhando, ao passo que tecemos um jeito multiplicado de ser de novo, como as estações, que, certamente, comparecem, mesmo para quem não acredita nelas. E de estar de novo no mundo, mesmo de outra forma, que há em nós fontes inesgotáveis de vida e de modos de ser e de fazer, é só não desistir.
Esperança é cortar a cana prevendo o açúcar; é cair e levantar-se, ou ser levantado; é crer na luz vendo o escuro; é olhar a morte e ver uma vida melhor; é mirar vocês e adivinhar melhoras, soluções e respostas.
Que vocês e seus sonhos se realizem e, caso isso não aconteça, que haja em vocês recursos de esperança para seguir adiante.

29 Comments:

At 2:09 PM, Anonymous Anônimo said...

Flavia, conversei com Norma por deliciosas e raras 2 horas e combinamos para, até antes do Natal, almoçarmos com você aqui em minha casa. Você aceita?
Indiquei sua linda Trança aos meus alunos e trabalhei com ele o seu texto sobre a escola inclusiva. Nós tb sonhamos com ela como "quem corta a cana esperando o açúcar".
Um beijo, amiga. Fernanda Bérgamo

 
At 3:17 PM, Anonymous Kika Freyre said...

Que texto lindoooooooooo!!!!
Armei uma rede no terraço das retinas pra ler encasulada e degustar a verdade das palavras como quem degusta champagne em noite de reveillon...... é isso. Teu palavrear teve sabor de ano novo, dessa esperança que a gente tece no croché do derradeiro dia e alimenta até os nós (e sobretudo eles) do tempo seguinte.
Que não nos faltem esperanças nem sonhos, mesmo quando nos faltar o futuro....
Uma beijoca cheia de frio e com um tantinho de vinho tinto pra acalorar a palavra....

 
At 12:29 AM, Blogger thiagoband said...

Flávia...senti q esse texto foi alog que poderia ser feito p mim, assim como p outros tbm..e vc como minha Professora , educadora...e enfim...não uma formadora, mas uma construtora de opniões e formas...senti q uma parte do aprendizado de nossas tardes de sexta irão fazer muita falta , como outras coisas fazem em nossa vida...e mesmo o saudosismo impregnado em mim...que venha junto essa esperança q vc fala, pra que os sonhos não se tornem utópicos...e no fim, se vier e quando vier esse fim, eu possa entender q memso sendo Gnús ou naum..somos pesoas q podemos crescer de diversas formas...e q memso p muitos, os Gnus sejam um animalzinho..p outros somos o Leão tão aclamado..
bjo t adoro mesmo..

 
At 7:01 AM, Anonymous luis manoel siqueira said...

Flavia.
Sou irmão de uma médica que lhe ama: Lara Siqueira. E fui vizinho de sua tia Beta, Paula, Fita, aquele povo todo prá lá de bom. Também escrevo, desde muito menino (pois continuo sendo). Lembro-me de meu amigo Jaci Bezerra falando em você, no tempo das Edições Pirta, no Recife.
Lara me deu o seu blog. Escrevo-lhe para lhe dizer uma coisa que você já sabe: ENSINAR É UM ATO DE SEDUÇÃO. Não do professor seduzindo o aluno para si, mas para que ele se APAIXONE pelo estudo. Você é uma sedutora de primeira linha. Seus alunos devem sentir muito orgulho de você.
Eu também tenho um blog: Serve pra matar o tédio da vida.

Um grande abraço. Parabéns !
Luis Manoel Siqueira
www.assumpreto.zip.net

 
At 8:03 PM, Anonymous ana cecília said...

flaviaaa q lindoo!! adoreiiii...
eh uma mistura de literatura com nossos sonhos!!! =)) mtu bom!!
bjaoooo e adorei ser sua aluna durante o ano... hoje foi minha ultima aula infelizmente, pois nao vou fazer upe =(
Aprendi com vc nao soh literatura, mas valores sociais mtu importantes que vao fazer mta diferença na minha vida OBRIGADAA ;******

 
At 4:10 PM, Anonymous cidinha said...

Lindo e emocionante o teu texto.
Sempre venho aqui aprender um pouco. Parabéns pela forma simples e direta de ensinares.
Cheguei aqui através da Débora, desde o início do teu blog, e nunca mais saí.
Parabéns e continue nos dando o prazer da escrita e da palavra.

 
At 4:28 PM, Anonymous Luane said...

Flávia, durante esse ano tive a incrível experiência de ser sua aluna, e aprender coisas inesquecíveis tanto para o vestibular como p/ vida. Saudades serão mts no próximo ano, de vc e Vicente, professores q me ajudaram a tirar o meu trauma de Português (principalmente da gramática portuguesa), hehehehe... Tenho mts conhecidos q já foram seus alunos, irmãos, primas, pessoas q hj já brilham na sua carreira profissional e que, certamente, foram influênciadas por vc. Quando converso com eles sobre vc e conto as suas histórias, mts vezes me respondem "Essa ela já contava na minha época", hehehe... só fico curiosa para saber de uma q minha prima fala mt, a da sua Lua de Mel, hehehe... É isso aí Flávia, te agradeço mt por tudo! E vou indicar p/ todos seu blog p/ q Vicente ñ seja seu único leitor, hehehe... ah, e claro, adorei o texto!

 
At 12:33 PM, Anonymous Leonardo B. B. Siqueira said...

Flavia, este seu texto me emocionou...

Você sabe desse meu momento de desesperança, niilismo e cético...

Mas estas suas palavras são tão reconfortantes, e complementam um pouco o nosso papo na ultima sexta!

Só queria que você soubesse que tem me ajudado muito a manter o pé firme e não desistir dos meus sonhos e ao mesmo tempo continuar questionando e aberto para as possibilidades!

Um grande beijo do seu aluno e tiete...

Leonardo B. B. Siqueira
VIVA A VIDA!

 
At 7:43 PM, Anonymous Rafael Caldas said...

flávia, adorei o texto!!!
passei aqui só para dizer que foi maravilhoso passar esses dois anos sendo seu aluno e de vicente.
vocês não têm noção de como foram importantes na minha vida, principalmente nesse momento tão dificil....
sinceramente não sei como poderei ficar sem discutir sobre temas que nós conversavamos tanto na sua aula, quanto depois, muito bom!!

muito obrigado por tudo!!!!
beijão!!
Rafael Caldas

 
At 8:18 PM, Anonymous Anônimo said...

Flávia, muito obrigada pela msg de carinho, amizade e dedicação. Saiba, que você e Vicente foram professores e amigos muito importantes nesta jornada até o vestibular.
Obrigada por tudo!!!
Atenciosamente
Patrícia Pereira

 
At 8:32 PM, Anonymous Anônimo said...

Flávia, o texto é simplesmente espetacular.. Muito obrigada por todas as palavras de carinho, amor e fortalecimento... você é única!
É uma pena que o ano esta acabando, teremo apenas alguns encontros, e você não contou a história da sua lua-de-mel. (rsrs)
Beijos, fique com Deus, e obrigada por tudo que você me ensinou ao longo desse ano!

 
At 3:24 AM, Blogger izabel said...

É com textos assim que nossos sonhos se constroem e nossas esperanças são renovadas. Porque se sonhamos com o que podemos ser, você nos ajuda a ver que se pode ser sempre mais.
Palavras feitas de flor fazem florir seres humanos, sempre, como uma brisa leve ou como tempestade.
um beijo!

 
At 3:00 PM, Anonymous Michelle Serralva said...

Flávia,
sobre o texto não existem palavras, agora, que eu possa dizer que expressem o quanto me fez bem ler. Sempre leio seu blog, mas nunca comento. não sei porque, talvez por vergonha ou preguiça mesmo, mas esse texto me forçou a comentar e a ler alguns dos cometário.
Luis Manoel Siqueira disse no coment que ENSINAR É UM ATO DE SEDUÇÃO. e eu concordo plenamente com ele, ao longo do ano nas suas aulas você (me) ensinou sobretudo a viver, a vê a vida de um ângulo diferente do que constumava vê. e claro me deu uma paixão, que pretendo não largar mais, a literatura.
Que Deus te abençõe muito, e que muitos possam apreciar e ser moldados atraves do seu dom (ensinar é sim um dom).

Beijos.

 
At 7:01 PM, Anonymous Isabela said...

1 texto emocionante...
Lindo como sua ternura, seus trejeitos, sua risada, seu modo de ver a vida!
Aprendi muito nesses 2 anos de aula c/ você. Não só literatura ou dicas p/ uma redação, mas também como ser uma pessoa melhor. Você nos dá uma perspectiva, uma visão, nos condiciona a um caminho simples, mas com muito sentimento e comédia. Nos ensina a pensar em coisas "impensáveis", mas que no fundo tem 1 conotação que nos leva a refletir e tirar nossas próprias conclusões (até c/ os gnus!!!).
Para toda minha vida guardarei seus aprendizados, suas aulas, seus textos, suas histórias. Nunca esquecerei de ti, um exemplo de mulher, de professora, de mãe, de amiga, de pessoa.
Sempre a recordarei com muito carinho, como a MELHOR professora (da vida e de aula)!
mil beijos

 
At 12:32 PM, Anonymous Paulo Fernando Cabral said...

Fecorrer os caminhos de sonhos da vida é estar sempre a procura do melhor, para nós e para as pessoas que estão ao nosso redor.O sonho pessoal tem que ficar estrelaço a cada passo com a esperança:base de sonhar.Cada "pedra no meio do caminho" deve ser tansformada em apredizagem,pois faz parte do vida.FLÁVIA,conheçer você foi um sonho realizado.Agora tenho que usar a esperança para cutivar o carinho que sinto por você.Os sonhos são "TRANÇAS" entre os humanos.

 
At 8:31 PM, Anonymous Itana said...

Muito obrigada...
Esse texto me ajudou bastante...
Suas palavras sempre caem como uma luva!

Te adoro viu!

Professora inesquecivel!

Bju*

 
At 10:45 PM, Anonymous Marília Monteiro said...

Incrível.Essa professora maravilhosa e que admiro imensamente sempre me impressionando,e sempre fazendo-nos crescer como ser humano.Sinto-me feliz de ter encontrado neste mundo tão desumanizado uma pessoa tão humana,iluminada e inquietante,com a qual me identifico nas idéias,nos sentimentos e,principalmente...nos sonhos e esperanças.A parte de "é igual a mim e diferente de mim" resume minhas idéias de que,só viveremos num mundo justo(e acima de tudo humanizado),se soubermos que o outro é outro,em sua essência,afinal,cada cabeça um mundo.Que respeitar as diferenças para uma vida coletiva em harmonia,sem sombra de dúvidas,é tudo.Que ninguém é melhor nem pior,e sim apenas...diferente.Ah..os sonhos e as esperanças...Destes jamais me separo.Tenho-os,e espalho pra todos à minha volta.A esperança Drummondiana!A esperança de um mundo sabido!De um mundo iluminado!
obrigada querida,por me fazer crescer.E também por esse texto espetacular.BEIJÃO.[daquela aluna do lubienska..;D]

 
At 12:53 AM, Anonymous Amanda Borba said...

Saudade seria a palavra mais adequada para me referir ao que eu senti ao ler seu texto, flávia. Além de professora, vc, mesmo sem se dar conta, foi amiga, educadora (mais do que professora), mãe!

Por duas vezes fiz o curso de vicente e flávia e, acredito, nunca irei esquecer muitas de suas aulas e lições de vida! Muitas vezes discordei, é claro! Mas é assim que vc gostaria que fossem as suas aulas, não é?! Certamente, vc não faz o tipo que ficaria satisfeita em dar aulas a largatixas (gnus?! hehe). Vc tenta ( e consegue, mts vezes) formar cabeças pensantes. E, não somente por isso, mas, mais por isso, vc é uma pessoa admirável!Continue assim!! Vc é exemplo de educadora! É por pessoas como vc, que nós, alunos, não perdemos a esperança que vc fala no texto. Não só no sucesso de um vestibular, pois é apenas uma etapa, mas na felicidade de ser!

Um abraço e eterna saudade!

 
At 4:24 PM, Anonymous Amanda Gabriella said...

Eu li esse texto agora, após a primeira fase do vestibular, mesmo sendo indicado antes. Acho que, na verdade, li na hora certa. Muito lindo o texto! Escrito de uma forma que realmente conforta! Agora é tentar superar com 'esperança.

Vou sentir saudades das suas observações.
Beijos. :***

 
At 1:56 PM, Anonymous Manu said...

Maravilhoso rever uma pessoa que tanto nos faz bem!
Foi ótimo o nosso papo!
Beijos!
Fica bem, viu?
Manu Duque

 
At 8:33 PM, Anonymous Anônimo said...

Oi Flavinha,que pena que não irei te ver mais,te adorei de verdade mesmo! aprendir muitas coisas com a senhora,principalmente com suas frazes filósoficas e suas LOUCURAS! espero que quando a convidar p vim a Vitoria de Santo Antao,eu irei busca-la,a senhora venha MEEEESMO! Te Adoro Tia Flávinha!! para Tio VICENTINHO também bjs!!

 
At 10:14 PM, Anonymous Anônimo said...

Absolutamente lindo!
=D

 
At 9:37 AM, Blogger Mariana said...

Lindo, seu texto.

Cheguei aqui nem sei dizer como, e me assaltou logo a lembrança do tempo (ido, bem ido) em 1988-1989, quando você e Lívia me deram aulas, na Escola Parque.

Não esqueço até hoje o título de um poema e da história dele: Damasco.

Bom poder saber de você, através daqui.

Boa sorte na casa nova. Sei que você vai transformá-la em lar rapidinho...


Beijão.

 
At 7:02 AM, Anonymous Roselle Siqueira, mãe de Leo seu aluno e tiete. said...

Bom dia, Flávia!


Faz dias que penso em te escrever, mas só hoje tive coragem. Não tive uma professora de português como você, por isso a minha falta de coragem em lhe escrever.
Quero deixar aqui a minha gratidão por tudo que você fez por meu filho, Leonardo B. B. Siqueira, que se declara aqui, em seu blog, ser seu tiete.
.
No mundo de hoje o único valor que uma pessoa pode ter é o sucesso, sucesso financeiro ou midiático. Nossos jovens têm de fazer um curso pensado em quanto poderá ganhar, financeiramente falando. Ou qual carreira poderá seguir onde tenha maior exposição na mídia, pois isso fatalmente lhe trará sucesso. Alguém que pense em apostar nos sonhos é rechaçado com veemência. Para mim, ter sucesso é ser feliz.
Tenho dito isso aos meus filhos. Tenho dito principalmente que a hora de sonhar e de ser “louco” é agora, pois mais tarde, aos 30 anos, fica mais difícil (não impossível), por conta das necessidades da vida. Mas meus filhos não acreditam em mim, com a constatação verídica, diga-se de passagem, de que sou passional, então não estou em condições de falar o que deva ser correto. Mas quando você falou para meu filho a importância de ele continuar no curso de filosofia, ele saiu da crise de identidade em que se encontrava, e da qual eu não conseguia tira-lo. Hoje percebo que ele está numa felicidade só, e agora anda super feliz por ter se colocado bem para o mesmo curso na UFPE. Por tabela eu estou felicíssima também. E estou aqui quase a chorar, para lhe dizer a professora maravilhosa que você é. Obrigada.

 
At 12:08 PM, Anonymous Alania Talita said...

Flavia,
quando li seu texto senti-me cortando cana.O suor escorria pelo meu rosto cansado e exposto ao sol do meio-dia.As mãos calejadas doíam-me.Tanta cana ainda por cortar...um canavial inteiro..grande,quase infito.Indo de onde eu estava até aquela linha que separa terra e céu.Pois sim,Flávia,nem eu mesma consigo enxergar os limites do meu canavial,e ,não raro, aflinjo-me com a dúvida sobre a minha capacidade de cortá-lo.Será se minhas mãos suportarão? Meu corpo suado,aguentará? Não se eu enxergar apenas a cana cortada,se eu não for capaz de prever o açúcar.Ah,Flávia,eu havia esquecido o açúcar,por que a gente esquece o açúcar?Meu coração,assim como o de Drummond,não sabe."Estúpido,ridículo e frágil" é também o meu coração.Mas se a gente não "desaprender a linguagem com que os homens se comunicam",se a gente se mantiver atento pra ouvir o que "os homens que se salvaram das ilhas têm a dizer" haverá sempre, dentre eles, um que nos lembrará do açúcar.
Obrigada,Flávia,por nos lembrar do açúcar.

 
At 11:23 AM, Anonymous Cida said...

Flávia, adorei o texto, ele me emocionou, assim como me emociono em todas as suas aulas.
Quando decidi voltar a estudar para o vestibular, não pensei que fosse ter uma surpresa tão grande que é a de assistir suas aulas. Imaginei que seria apenas mais uma aula, mas fiquei encantada e a cada semana esperava ansiosa a chegada de mais um dia aula.
Como aprendi... Viajei pela literatura e suas épocas...
Você não só ensina literatura como ajuda a forma opiniões
Aprendi que somos a literatura de nossas vidas, você não tem idéia do quanto seus textos e suas aulas me emocionam.
Obrigada por tudo
Você sabe distribuir

 
At 8:56 AM, Anonymous Anônimo said...

Pimpa, seus textos me ajudaram a recuperar muitas coisas perdidas e me deram muitas saudades docês! É uma delícia "rever" as pessoas, os lugares e as coisas c/você; é uma delícia ter um ataque de riso com vocês e disso sinto uma falta enorme.
Beijo grande à todas vocês, minhas queridas.
Lú (Campinas/SP)

 
At 9:52 PM, Blogger Alice said...

O texto é antigo, não foi escrito para os alunos de 2010, mas de certa forama, foi escrito pra mim, acho que qualquer texto é escrito pra quem quiser entender e pra quem se deixar tocar. Você deseja a nós, seus alunos, desjar ver os nossos sonhos realizados o que é ótimo, mas você sabe que pode não ser o bastante, então deseja esperança e força para seguirmos adiante. Obrigada

 
At 11:16 PM, Blogger duda moura. said...

Este comentário foi removido pelo autor.

 

Postar um comentário

<< Home