domingo, julho 23, 2006

Damasco

Também
já houve em mim
usança de silêncio:
fui tarântula vã
que tecia o nada
no extravio da seda.

Concebia fendas
tecia grotas
arrenegava o fio
que me urdiria o ser.

Tarântula ou ostra:
engendrava a pérola
que se perdia
de guardada.

Mas me cansei de morrer.

Preciso ser tarântula
para compor
o tecido que me faz;
careço lavrar, na seda,
o desenho
que me cria.

Minha voz agora
me faz
me descortina
me lança
me mata
de ventura.

Porque nasci tarântula
nasci para tecer:
segrego a seda
e com ela
teias são tecidas.

Não importa
o indizível:
tanto urdirei
contra ele
que se estiolará.

Minha palavra
ou minha teia:
seda e vazio
que concebo
que me concebem
para além
de meu destino
de inseto.

6 Comments:

At 10:48 AM, Blogger ester said...

Oi tia, adorei a trança!
Gostei muito dos textos, vou entrar aqui sempre que puder,
um beijo e parabéns.
Um beijo também para o departamento de marketing e digitação do blog!

 
At 10:49 AM, Blogger sandro said...

Este comentário foi removido por um administrador do blog.

 
At 10:51 AM, Blogger sandro said...

Sobre Damasco...

Lendo me vem à mente duas imagens: uma óbvia, A Metamorfose de Kafka e a outra, não tão óbvia assim, aquele que muitos já esqueram, o singularíssimo Augusto dos Anjos.

 
At 8:50 PM, Anonymous Priscila said...

Flavia,
Adorei o blog! Os textos sao lindos!
Você escreve coisas lindas e que tocam o coração da gente!
Adoro suas aulas você fez e faz parte da minha formação como pessoa e como cidadã.Você me ajuda a compreender mais as diferenças entre as pessoas e saber como elas são belas! Afinal, não somos um bando de Guinus né?
um Grande beijo

 
At 2:35 AM, Blogger Mariana Mesquita said...

Achei, achei!
Delícia reler isso, tanto tempo depois!
;.)

 
At 10:34 PM, Anonymous Sirley said...

Flávia teus poemas encantam... (pelo menos me encantam)
abraços,

 

Postar um comentário

<< Home