sábado, dezembro 08, 2007

Despedida

Há uma sensação de perda em mim quando se aproxima o fim do ano. Sou professora de Literatura para o vestibular e há, nesta época, uma necessária despedida que tenho que cumprir.
Quando o ano inicia, temo as expectativas dos meus alunos, fico de mãos trêmulas e frio na barriga, mas há um sentimento bom de amor que começa.
Eles riem do meu jeito expressivo e enfático de falar, encantam-se com meus raciocínios, divertem-se com minhas histórias e com minha "loucura".
Eu sei de cor que poucos não gostarão de mim, muitos vão me admirar e achar que tenho razão, e alguns se aproximarão e criaremos laços. Também sei que outros, mesmo sem chegar, longe, farão de mim uma referência para sempre nas suas vidas.
É que sou uma ponte, ajudo-os a entrar na universidade e seguir suas vidas. Quando o ano chega ao fim, portanto, há um sentimento triste de amor que termina.
É claro que já tentei desenvolver milhares de estratégias para me defender disso tudo, mas falhei: todo ano me apaixono por alguns deles e essa perda, mesmo que necessária, me faz pensar, sofrer... Também me faz retomar outras perdas... E resto triste, esvaziada, apesar das festas, alegrias e comemorações que são a cara deste momento todo ano. Aliás, às vezes, nem mais estou ao lado deles na hora do resultado, que foi "empurrado" para janeiro, quando é preciso descansar para recomeçar.
Às vezes, brincando, digo a eles que, em dezembro ainda, em pleno trabalho de parto, já é urgente engravidar de outros filhos, porque é necessário planejar horários, mudanças, reformas, pinturas para os que virão...
Meus alunos, neste momento, pensam que voltarão sistematicamente para me ver, aí não sofrem tanto. Mas eu sei que eles terão muitas tarefas e rotas novas e que virão uma ou duas vezes e desaparecerão para sempre ou para um encontro fortuito num banco, restaurante, sala de espera, que nunca é a mesma coisa... E, mesmo assim, eles me acolhem em abraços e palavras doces e mornas que fazem a minha vida inteira ter um gosto bom e um porquê.
Através deles, penso que contribuo para a construção de um país melhor, aos poucos, pois, se há uma coisa que não faço, é dar aulas apenas para treiná-los para fazer uma prova e, às vezes, chorando, falo a eles de meus sonhos, utopias, desejos... com a intenção de que eles me ajudem a concretizá-los.
Este ano, lendo, na aula, um poema de Drummond chamado "A noite dissolve os homens", chorei que só, porque metade do poema é sobre uma noite horrível que nos destrói e a outra metade é sobre uma aurora cheia de perdões macios que triunfará quando os sobreviventes da treva aprendermos a enlaçar as mãos, apesar de tudo.
Eles ficaram calados, em respeito ao meu sentimento... Meus óculos viraram um aquário... Esse momento ficou suspenso no ar...
Dou esse instante calado e bonito brotado dessa manhã luminosa que devagar moldamos, apesar das noites, na sucessão das gerações, tão visível na minha vida.
Recebo sua teimosia, sua inocência, sua coragem para seguir em frente, pensando que tudo vai dar certo.
Desejo que a chama dessa manhã acenda nossas vidas para que sejam chamas para mais velas.

Para Adriana, Beatriz, Bela, Bernardo, Beto, Caio, Fernando Henrique, Jota, Luzia, Mariana, Noelle, Peste, Rafael, Samarone, Sofia e Suennya, que, nomeados em ordem alfabética, como numa metonímia, são a parte que simboliza o todo dos meus alunos, que abraço em despedida.

42 Comments:

At 1:53 AM, Anonymous Anônimo said...

Queria muito que soubesse que eu, além de outros alunos e de você, também sinto essa sensação de perda. Vão deixar um buraco na minha rotina essas tardes de aulas, as quais eu sempre fui com o maior gosto e a maior vontade, sendo capaz de vencer todo o cansaço e desânimo para encarar aquela aula tão gostosa e interessante, que me serviu sempre como uma terapia, prendendo por completa minha atenção. Sempre a admirei e vou admirá-la, mesmo de longe, do meu jeito. Estou certa de que existem muitos alunos assim como eu. Beijos!

 
At 2:19 AM, Anonymous Aluno said...

Entre todos os cursinhos que fiz esse ano, você é a única professora que não me preparou exclusivamente para o vestibular, e sim para a vida!

 
At 10:29 AM, Blogger Thelma said...

Entendo perfeitamente teus sentimentos, quase-gêmea! Tu és transparente, cristalina e te expressas com uma beleza impressionante. Teus textos me tocam a alma. Obrigada por esta leitura tão deliciosa!

 
At 1:37 PM, Blogger Rafael Alex(rafa) said...

Meu espelho não me reconhece... Em um ano me refiz, não sozinho, mas com a ajuda de pessoas como você. Véspera de vestibular e estou aqui, à procura de algo que me conforte ou me enriqueça, buscando você, buscando tirar um pouquinho mais de você. É por isso que tenho certeza: se a despedida do físico é quase inescapável, a despedida daquilo que realmente importa é impossível. Continuarei a conviver com você dentro de mim ou em alguém que, por algum aspecto, lembre um pouco de você. Não duvide "das vidas" que nesse ano nos uniu! Guardo a esperança dentro de mim! Do que nos transforma a gente não se despede...

 
At 11:36 PM, Anonymous Beto said...

Fráu, você conhece a minha enorme dificildade em me expressar com essas letrinhas não sabe? Mas vou escrever porque sinto uma enorme necessidade de pôr alguma coisa aqui.

Nunca aprendi tanta coisa em um ano só.
Na verdade o que eu aprendi com você vai muito além daquelas coisas que se aprende para passar no vestibular. Tenho certeza de que esse ano foi essencial para aquilo que eu vou me tornar no futuro. O médico atencioso, sensível e humano que você sempre quis que eu me tornasse com certeza virá.
Vou carregar você comigo em todas as nossas conversas que me ajudaram a construir quem eu sou hoje.

E nada de pensar que depois desse ano nossos contatos irão acabar. Serei o responsável por desmentir essa sua tese!

Faço das palavras de Rafa as minhas, "Não duvide 'das vidas' que nesse ano nos uniu!"

 
At 1:03 AM, Blogger Sofia Sampaio said...

É tempo de chuva...
E esta também é uma cidade de poucos ruivos.
Logo de primeira, foi um brutal reconhecimento; embrulhei um abraço desejado e um agradecimento envergonhado, guardei-os.
Cheguei em casa entupida de entendimentos e de antigas esperadas alegrias.
Era ruiva. Era a possibilidade de compreensão, de não ser só nesse mundo tão de outra cor.
Desembrulhei alguns afetos durante o ano e, dando-os, fui abrindo espaço para tudo aquilo que recebi e, disso, eu não me despeço.
Com você aprendi que é possível ser “diferente” e, mesmo assim, conquistar as pessoas ao invés de repeli-las. Também percebi que ainda existem pessoas que gostam de escutar e de entender.
Eu encontrei uma família inteira dentro de você, e fora também. Com você vieram outros que para sempre serão lembrados.
Foram muitas conversas, muitas alegrias, medos, escolhas, filosofias peripatéticas...
No fim, os ruivos se separam, outros ruivos, mudados. O conto se conforma com a separação e a despedida mal dada, isso já basta.
No meu caso é diferente. Nasci revolucionando os meus próprios princípios, não me conformando com explicações miúdas e sendo extremamente teimosa.
Por isso, a minha teimosia agora explode. Eu sairia correndo atrás do cachorro ruivo, gritando alto e tudo mais... mas nesse caso de agora não pode ser assim.
Não depende só de mim, portanto, abaixo a cabeça e te peço miudamente que não me esqueça, não me abandone, que retire o meu nome e que de mim você não se despeça.
Esse já era um trato, lembra?
Eu vou cumprir.

Alguns ficam eternamente, é só querer.

Beijos querida Flávia, um sonho de mãe.

Sofia

 
At 9:00 PM, Anonymous MaRcELinHoWw said...

Tia Flavia :P Com tantos alunos fico impressionado como vc consegue passar esses sentimentos de afeto, de carinho misturado com ensinamentos que são para todo e ao msm tempo chegam em nos tão pessoais e sinceros. Além dos alertas sobre o mundo q nos cerca. Chego a ter vc como uma 2 mãe msm!!! A Flavia vc nos ensinou mt nessas aulas que de verdade msm, valeuuu a pena!!

Português é para a vida... ehin!! hehe By Vicente!!

FlAVIa Vc é massa!
flwww
:D

 
At 3:30 PM, Blogger jujuba_star said...

Este comentário foi removido pelo autor.

 
At 3:31 PM, Anonymous Júlia Campos said...

É incrivel o poder contido nas palavras, e eu tenho certeza que particularmente eu descobri poderes superiores nelas, em apenas um ano, 2 horas por semana, inúmeros significados! É espetacular o modo como a senhora se expressa nas aulas e nos tornas apesar de "estranhos" inicialmente tão intímos... é espetacular como sua vida é um livro aberto dentro da sala de aula, como suas situções cotidianas se encaixam na literatura e nos deixam cada vez mais atentos as suas doces e engraçadas palavras. É magnífico saber, compreender literatura como um todo, e não superficialmente como somos obrigados no colégio.
É dificil escrever para pessoas que as vezes não são nem tão próximas, e nem tão pouco sabem a extrema importância para vida dos outros; eu posso ser para ti uma simples aluna que freqüenta suas aulas semanalmente, mais tenha certeza que você para mim é um exemplo de vida.
Como meus conceitos, meus gostos, minhas opinões, minhas conclusões foram modificadas nesse ano e toda essa mutação na minha vida de vestibulanda que só está começando, é graças aos seus pensamentos altos na sala de aula!

Valeu por tudo Flávia!
Seja feliz hoje e sempre,
desde já desejo-te um feliz natal e um ano novo repleto de alegrias!!!

Beijos

OBS- (Desculpa por qualquer erro gramatical...kkkk)

 
At 3:34 PM, Anonymous Júlia Campos said...

É incrivel o poder contido nas palavras, e eu tenho certeza que particularmente eu descobri poderes superiores nelas, em apenas um ano, 2 horas por semana, inúmeros significados! É espetacular o modo como a senhora se expressa nas aulas e nos torna apesar de "estranhos" inicialmente tão intímos... é espetacular como sua vida é um livro aberto dentro da sala de aula, como suas situções cotidianas se encaixam na literatura e nos deixam cada vez mais atentos as suas doces e engraçadas palavras. É magnífico saber, compreender literatura como um todo, e não superficialmente como somos obrigados no colégio.
É dificil escrever para pessoas que as vezes não são nem tão próximas, e nem tão pouco sabem a extrema importância para vida dos outros; eu posso ser para ti uma simples aluna que freqüenta suas aulas semanalmente, mais tenha certeza que você para mim é um exemplo de vida.
Como meus conceitos, meus gostos, minhas opinões, minhas conclusões foram modificadas nesse ano e toda essa mutação na minha vida de vestibulanda que só está começando, é graças aos seus pensamentos altos na sala de aula!

Valeu por tudo Flávia!
Seja feliz hoje e sempre,
desde já desejo-te um feliz natal e um ano novo repleto de alegrias!!!

Beijos

OBS- (Desculpa por qualquer erro gramatical...kkkk)

 
At 4:51 PM, Anonymous Andrea said...

Querida Flávia,

Cheguei por acaso ao seu blog, a partir de uma indicação no blog de um amigo queridíssimo, o Samarone e dei de cara logo com esse post.

Veja só essas pequenas coisinhas que chamamos de acaso e que parecem um afago da vida e do tempo.

Fui sua aluna em algum ano perdido do milênio passado, no Contato. Acho que 1988. Entre as milhares de aulas daquele ano de agonia de preparação do Vestibular, lembro de uma sua, em que você nos falava sobre "Morte e Vida Severina", de João Cabral, e começou a recitar um trecho do livro.

A sala toda - acho que eram umas cem pessoas - fez um silêncio mortal enquanto te escutava. Você foi se emocionando, se emocionando, até que não deu mais para falar.

Aquele momento ficou marcado pra mim de uma maneira muito especial. Consegui me ver entre os alunos dessa aula, em que você recitou Drummond. Uns surpresos, outros cúmplices, alguns certamente intrigados, mas nenhum alheio a sua sensibilidade e a sua emoção.

Beijo, professora, e muitas saudades de suas aulas.

 
At 6:09 PM, Anonymous Anônimo said...

Querida flávia,
eu sempre ouvi muito falar de você, pois meu irmao havia sido seu aluno e minha mae e medica de sua familia ( euieheuih ) e sua admiradora! sonho em ser jornalista desde de brotinho, mas as pessoas sempre me disseram q eu nao podia fazer jornalismo pois nao irira ganhar dinheiro! Quando entrei no ensino medio, detestava literatura, mas continuava querendo ser jornalista! quando fiz vestibular por experiencia em jornalismo que me dei mal na 2 fase, pensei em desistir, pois eu n dava pa literatura, so sabia admirar quadros e obras de arte alem de gostar da profissao! Mas quando fui pa 1 aula em janeiro sua, acho q dia 30 de janeiro, ja me encantei de cara! na epoca, eu tinha um namorado, e ela achava q nos eramos parecidas, pois temos a mania de achar q somos superpoderosas e lutar pelo q acreditamos e temos opnioes diferentes da de todo mundo! Com o passar das aulas, eu cada vez a admirava mais... sempre no final das filas, eu a olhava com um olhinho curioso, querendo aprender a ter mais pulso forte como você.. dai, no meio do ano, tu disse q nos escolhecemos as profissoes que gostassemos e nao pensasse em dinheiro e tbm aprendi literatura! agora eu sei oq quero, e aprendi coisas q levo pa minha vida com voce! Sempre tentei ser uma aluna anonima, e em cada fim de aula sua, eu saia pensativa e escrevia uma carta para voce q eu iria entregar no final do ano! Mas nao tive coragem... as cartas sao mo engracadas.. no comeco sao calmas.. mas esse ano, como e um ano de emocoes fortes, tem cada uma muito engracada, pois estou afobadissima! euyeheuiheh acho q mesmo sem voce saber, voce foi minha psicologa ... eu comecei a refletir sobre altas coisas! mas tem algo q descordamos, pois eu amo mario quintana e voce carlos drummond!!
flavia... euu falei com tuh, morrendo de verginha... me desculpa! ah, e nao conta a minha mae que te escrevi, pois ela e mt fofoqueira e vai querer saber oq eu escrevi! euiheuihe
acho q cada vez que conhecemos alguem ela nos deixa algo e leva algo de nos! eu no fim do ano fikei maior de idade e acho q aprendi muita coisa. estou um poukinho mais pronta para enfrentar o mundo, mas ngm acredita mt em mim, pq acho q vou mudar o mundo! eioeiojeije ps. eu me volutario na favela e la eu falo isso a eles, ai eles acham q eu to louca..
bem... eu acho ate q ja me perdi.. falei tanto... é melhor entao eu ir embora!
a ultima aula foi triste... mas acho q ainda valeu muito a pena!
se deus kiser nos nos veremos na federal!
Boa sorte flavia, e desculpa eu paquerar seu filho, mas quem manda tre filho bonito! euieheuihe Brincadeira!
Um Beijo e Se cuide agora de ferias! Com carinho!
Cynthia Giestosa

 
At 12:47 AM, Anonymous Clarissa said...

Professora, espero ainda podermos manter contato.
Não tenho vergonha de dizer que me emocionei ao ler seu texto ( pra falar a verdade, ainda estou chorando!)
rsrsrs...
Você foi, de longe, a melhor professora de literatura que eu já tive. A melhor, de todos os tempos. Contigo aprendi muitas coisas e também aprendi a apreciar mais a literatura, me afeiçoei a ela e a você.
Espero que você nunca esqueça de mim, assim como eu nunca esquecerei de você e das suas aulas maravilhosas.
Totalmente nostálgica e de coração apertadinho,Clarissa (prima de Sama.

 
At 10:29 PM, Anonymous Caio Correia said...

Flávia, gostaria de agradeçer pelo ano que aproveitei com as aulas de seu cursinho. Sei que suas aulas naum são apenas para o vestibular e sim, para a vida. Tenho uma teoria de que você é psicóloga da vida porque o que você nos ensina vai diretamente em meu coração. Às vezes seus conselhos abrem certas feridas minhas mas é necessário porque só assim posso perceber que devo seguir em frente com minha vida ao invés de ficar preso ao passado. Muito obrigado por você ser a pessoa que você é. Abraços de seu aluno Caio Correia

 
At 12:27 AM, Anonymous Anônimo said...

fLavia...meu teclado nao tem pontuacao nenhuma, por isso que vai ficar cheio de palavras erradas, mas tu entende !!

sim,
nao sei falar muito bonito nao, como disse beto, nao sei me expressar com palavras..
mas vamos la...
Flavia, quero que tu saiba que serio mermo, gosto muito de tu...sei que a distancia acaba separando e que reencontros serao mais dificeis...mas pode ter certeza, o que aprendi contigo, nunca vai ser apagado, e o sentimento que tenho muito menos!!
as diferencas sao essenciais...aprendi muito esse ano com pessoas de alma tao pura e boa que nem tu!!!
continua assim, ajudando teus alunos com tuas filosofias e utopias, com isso o mundo tudo fica tao mais bonito, da vontade de acordar sorrindo sempre!!!
ainda te levo um dia para me ajudar a cuidar de baleias..
beijo!!!

Belinha.

 
At 2:07 PM, Anonymous Jota said...

"Me dá um desconto?"
Não podia ser uma maneira pior de se conhecer.
Penso que nunca quis desaparecer tanto.
Tanto que desapareci.

Mas, como um trem que vai para estação, em seu caminho demarcado, lá eu estava "fazendo o curso dar certo" a pedido da própria.

Os primeiros contatos foram indescritíveis.
Aquelas palavras que saiam daqueles finos lábios me penetravam, me prendiam e eu, quando não as estava escrevendo, mirava o tempo inteiro aquela figura fantástica, com o cérebro borbulhando de descobertas e afeicões.
Não conseguia assimilar tudo e voltava para casa quebrando a cuca e analisando cada raciocínio.

Como é possível essa mulher?
Ela não existe!
Ou só pode ser um E.T.
Será?

O ano foi passando, e bem aos pouquinhos eu senti que uma plantinha dentro de mim, por ela aguada e adubada, ia florescendo a cada aula dela a que eu assistia. Suas raízes foram fincando e suas flores desabrochando nos meus olhos, me fazendo ter outra visão das coisas mais simples e humanas que nos rodeiam.
É um pé de quixote, cuja semente foi plantda pela irmã.

Lê-la era ler-me.
Não conseguia discorar de nada que ele dizia. Era o que eu pensava mas nunca tinha organizado as idéias num encadeamento lógico.
Eu me descobria a cada momento.

A essa altura,ainda não sei dizer se ela é um E.T.
Prefiro achar, sem nenhum exagero, que ela é uma "moça muito branca", de natureza diferente, sem sexo, sem distinções, que distribui sementes e faz o pior dos cegos enxergar o encanto do desabrochar da mais ingênua das flores.


Agora eu vou seguir meu rumo...
Mas não tenho dúvidas de que estou munido de subcídios e que estou bem preparado (por voce) para cuidar e fazer do pezinho uma árvore.Você foi uma boa águia. E sempre será.
E nós vamos colher os frutos juntos.

Não me despedirei de tu, pois voce deixou uma parte de si em mim, e despedir seria renunciá-la.
E isto não vai acontecer.
Voce me marcou com seu jeito, seu carinho, sua cosmovisão, seu ser.

E daqui em diante, voce sempre estará em mim.

Vou sentir sincera falta da tua presença semanal, do teu olhar acolhedor e de tua guia.
Pode ter certeza que as minha quintas-feiras ficarão de alguma forma vazias e eu vou ficar me perguntando quem vai te levar em casa após a aula.

Por qualquer coisa que eu tenha feito de errado, Flavinha:
" Me dá um desconto!"

Gosto muito de você.
Mesmo.

 
At 2:50 PM, Anonymous Anônimo said...

Meu deus Flávia, estava lendo agora os comentários deixados pra você e vi que todos nós alunos seus, pensamos basicamente da mesma forma, gostamos tanto de você na mesma intensidade e vamos lembrar sempre de você, com talvez a mesma freqüência. Tá sendo super difícil deixar essas tardes de aulas tão boas, tardes que me faziam voltar pra casa e refletir, refletir e refletir.. Você sempre disse coisas que penetraram de verdade nos pensamentos, coisas de tanta importância, coisas que não desaparecem assim tão fácil. Seus pensamentos tão internos e sinceros passados pra nós, nos envolveram sempre. Vai ser difícil pra todos, vejo que es tão vítima desse fim de relações trocadas constantemente quanto nós. É sua a capacidade de pegar qualquer coisa e analisá-la de um ângulo tão diferente e inesperado, talvez jamais pensado por nós antes. Às vezes é algo tão “viajado”, no entanto, ninguém consegue provar que está errado, aí vem algum suspiro de “puxa, é mesmo.. não tinha pensado nisso ainda”. Talvez eu não tenha me expressado bem, mas é tudo o que eu queria que você soubesse. Você vai está sempre em nós Flávia! Ninguém que fez o seu cursinho esse ano é mais o mesmo que antes fora, agora todos nós temos um pouquinho de Flávia Suassuna pulsando na gente. Mil beijos e tudo de bom!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

 
At 4:45 PM, Anonymous Fernando Henrique said...

Eu queria poder retribuir com palavras tão bonitas quanto as que acabei de ler, só que eu nao consigo escrever como minha grande amiga.
Lembro que eu comecei a te admirar mais, quando perguntei como poderia melhorar meu vocabulário. Não sei seria uma resposta assustadora, se nao houvesse uma risada contagiante logo em seguida; nunca um sorriso me marcou tanto.
Agradecer por tudo que você fez é pouco. Acho que praticar as suas idéias é a melhor opção para levar adiante tudo o que as outras pessoas precisam saber para viver.

Eu queria pedir só mais uma coisa: Quando Jô Soares te chamar entra na praia dele.

Abraço

 
At 6:16 PM, Anonymous Bernardo said...

As palavras já foram e serão ditas, não só aqui; nossas palavras são discretas, elas falam baixo, quase calando; ou um pouco mais fortes, que calam toda uma penca de alunos.
As palavras já foram ditas: Agradeço por todo esse ano de convivência e sei que todos têm muito a agradecer, pequenas coisas, pequenos gestos que por um dia ou pela vida toda fizeram essas pessoas serem mais felizes. Um pouco. Ou um muito.
Com a palavra há a troca mais justa, a multiplicação da troca, como dizia algum desses ditados chinês (que não lembro perfeitamente). Como se ganhássemos duas vezes: as nossas palavras e as dos outros. Você é uma pessoa que passa muito bem o que sabe, se entrega, talvez já conheça esse ditado. Se não, já o segue sem saber.
As palavras serão ditas: Acredito na sua tese horripilante e pessimista que diz que nós iremos nos separar e só nos encontraremos numa fila de banco, restaurante, etc. Mas como todos os outros alunos eu não quero acreditar (acho que você também não quer), então eu não prometo nada, mas acredito que você vai ter muito que aguentar as suas metonímias. Um beijo e muito obrigado (que esse obrigado seja parte de todos os obrigados que ainda te devo.
Bernardo.

 
At 11:08 PM, Blogger Victor Santos said...

Nossa Flávia, apesar de mal ter tido um contato mais íntimo contigo durante todo esse ano, sinto como se você fosse uma grande parte de mim que realmente vai fazer uma falta imensa. E olha que às vezes sou até tachado de insensível por não me apegar muito facilmente às pessoas, mas você me cativou de uma maneira impressionante. Nunca imaginei que iria contar os dias e as horas para finalmente passar 2 horas sentado em uma cadeira ouvindo você nos "construir" com os pequenos tijolos que são seus ensinamentos, seus conselhos, suas opiniões e suas conjecturas.

Dessa tua doçura disfarçada, que nos encanta e nos dá forças pra seguir em frente, jamais esquecerei. De verdade. E quem sabe, a gente ainda se vê pela frente, no meu próximo ano de preparação para a tão temida fera chamada vestibular que você, com seu papel de educadora, nos ajuda a domar. És um ser humano incrível. Um super beijo, do fundo do coração.

Victor Santos

 
At 12:01 AM, Blogger Luiza Dias said...

as aulas vão fazer MUUUUITA falta =/////

 
At 12:40 PM, Blogger Luciana said...

Querida Flávia, impossível falar mais, depois de ler suas palavras. Eu que vivi, diariamente, a sua presença, sentirei muito a sua falta, e como me fará falta. Suas aulas, tão divertidas, cheias de piruetas e saltos estrambólicos de uma trapezista que já sabia, há muito, dominar a platéia, ser o centro das atenções do circo e representar seu papel tão desviado do tradicional, tão mais gostoso, suave, cativante.
És incrível, sublime. És real?!
Obrigada por um ano de vivência, um ano dividindo tua vida com a minha, com a nossa, com a de tantos que nem de longe te esquecerão jamais.
Obrigada, quase-mãe de todos, mesmo sem querer. :)

 
At 12:48 PM, Blogger Ingrid Melo said...

Flávia...
também sou de escrever, não de falar. Por isso provavelmente não saibas quem sou no meio de tantos que te olham com respeito e admiração. Talvez se tiveres prestado um pouco de atenção numa garota que ficou de olhos marejados muitas vezes e que chorou contigo naquele poema de Drummond, percebas que sou eu que aqui escrevo. Mas isso não faz a menor diferença.
Esse ano foi fantástico. Não tenho idéia do quanto aprendi, do quanto me encontrei. Eu me enxergava em cada história que contavas. Até mesmo quando tive que tomar uma das principais decisões de minha vida, foi na tua aula.
Sou do interior e como a maioria dos que vêm de lá pra estudar no Recife, iria fazer Medicina. Não porque amava, e sim porque meus pais amavam por mim. Fingia não perceber o que eu realmente queria, ignorava que desde 7 ou 8 anos escrevia histórias na máquina de escrever de minha mãe, esqueci dos livros virava a noite devorando, da coleção de José de Alencar que eu roubei da minha tia e do Dom Casmurro que eu li aos 11 anos.
Fiz vestibular pra Medicina no 2o e no 3o ano e [graças a Deus] não passei.
Esse ano faria de novo. Até o dia em que recebi um sinal.
Faltava cerca de 4 dias pra acabarem as inscrições para o vestibular. Eu estava indecisa se seguia meus pais ou meu coração. Lembra do "nós somos um desejo de nossos pais, mas não podemos fazer todos os desejos deles..."? Era a vontade de retribuir todo o esforço deles por minha conta que me tolhia.
Eu roguei a Deus que me ajudasse a tomar uma decisão.
Era uma 5a feira e eu tinha tua aula. Quando cheguei no GAME a sala tava vazia ainda. Mas eu sentei na ponta direita, quase na porta. Tu entras e eu me pergunto: "Oxe, meu Deus, por que eu sentei aqui se a letra de Flávia é tão pequena? Não vou conseguir enxergar nada!" Segundos depois vejo uma figura esquisita de cabelos crespos grandes e barba sentar a meu lado. A aula começa e tu avisas a visita especial de um jornalista chamado Samarone, tímido ele se apresenta.
Caramba, Flávia... Eu tinha passado as férias inteiras lendo as crônicas do blog dele. Tive a costumeira febre interna que me invade nos momentos de nervoso, tremi.
Uma aula fabulosa de Machado de Assis, passando por Adélia Prado e terminando com Antoine de Saint-Exupéry: "O essencial é invisível aos olhos."
Em seguida teria aula de Vicente, mas não pude esperar. Fui às pressas a um cyber café, entrei no site da covest e fiz minha inscrição: jornalismo.
Fiquei entre as vagas na 1a fase e fiz uma 2a promissora. Literatura? 8,3.
Não sei se passo. Se não, ano que vem te vejo de novo, anônima de novo. Se sim, provavelmente não te visitarei, mas pela timidez e certeza de que ao te ver ficaria muda te olhando com os olhos marejados, e não por estar ocupada demais.
Você foi uma das pessoas mais marcantes de minha vida.
Eu sei que jamais vou deixar de citar coisas que aprendi contigo.
Obrigada por tudo.

 
At 11:48 PM, Blogger Cesar said...

Flávia, não se preocupe que pessoas como você (profissional, sensível, inteligente e humana)estão, sem dúvida, contribuindo para um mundo melhor. Apesar disso ser uma utopia da qual não poderemos abrir mão, como disse o poeta, você o faz com bastante afinco. Parabéns por tudo que você é! um beijo grande,
Cesar

 
At 12:10 AM, Blogger debora_romeu said...

Sou sua ex-aluna e lembro em um dos anos que fiz o curso que você me falou mais ou menos a mesma coisa que escreveu aqui: Falou que me amava,mas que a gente ia se distanciar e que isso seria inevitável, na hora eu não me conformei com aquilo e fui totalmente contra. Hoje, eu tenho duas coisas a dizer: A 1ª é que é verdade que não posso vê-la sempre, até porque, além de todos os compromissos, hj moro longe de Recife.
A 2ª coisa é que apesar de tudo isso continuo amando-a mesmo à distância e me lembro de você em momentos importantes de minha vida, de verdade. Flávia, você e Meu Pai me ensinaram a não ter medo dos meus sonhos e ter coragem de ser utópica.
Minha curta vida acadêmica me ensinou que os sonhos e o que é justo nem sempre são respeitados pelo mundo. Um dia eu pensei: "Queria encontrar com Flávia e dizer a ela que esse negócio de dizer pra gente ter sonhos e esperança só faz a gente sofrer depois."
Hoje, de cabeça fria, mesmo sabendo que muitas vezes nossos sonhos são destruídos e nossa esperança abalada,sei que ambas as coisas são parte de mim e que às vezes dão certo.
Tia, você vai sempre estar presente na minha vida e eu vou sempre me perguntar qual seria sua opnião sobre determinada coisa.
Penso em você qd vejo colegas meus sem ética e com falhas de caráter e penso que eles mereciam uma aula com a senhora, não uma aula de Literatura, mas uma aula sobre Gente, sobre a Vida...
Ainda hj falo da senhora e conto suas histórias...Você é uma presença muito concreta na minha vida e teve uma participação especial na formação do meu caráter e da minha personalidade.
Espero que minha profissão seja tão útil aos meus pacientes, como a da senhora, de educadora, foi para mim.
Pode ter certeza que hj, cada dia q entro num hospital ou em qualquer lugar para conversar com um paciente, tem um pouco do q vc me ensinou naquela conversa.

Muito obrigada! Amo você! Feliz Natal!!

Eu não vou me despedir!!!

Débora Possídio

 
At 10:54 AM, Blogger Elisângela said...

Fui sua aluna um dia...há muito tempo atrás.Mas, até hj lembro das suas aulas MARAVILHOSAS!!!
Sempre gostei de ler...fiz Letras e uma especializção em Literatura Brasileira.Não leciono, mas continuo apaixonada pela Literatura. Outro dia nas minhas vigens pela a Odisséia da internet (risos), encontrei seu blog, leio quase sempre.

UM FORTE ABRAÇO E TUDO DE MELHOR DESTE MUNDO!!!

Lili Tenório

 
At 6:28 PM, Blogger ricardojacare said...

profa. , li esse seu post e parecia que estava voltando 5 anos atrás e presenciando exatamente esta aula, quando você leu 'A noite dissolve os homens' e disse, se não me engano, que sua irmã, após ler esse poema desistiu de fazer uma mudança de cidade ou coisa assim se não me falha a memória. Lembro bem seus olhos enchendo-se de água e guardo até hoje esse poema na minha lembrança como um dos meus preferidos após ser sensibilizado com a sua leitura naquele dia. E como você mesmo disse no post, e essa história é uma prova delas, muitas coisas que você fala/faz em sala fica pra sempre guardado em nossas memórias e com certeza modificam alguma coisa em nossa caminhada vida afora! Um grande beijo!!

 
At 7:10 PM, Anonymous Anônimo said...

Flávia, querida
já li nem sei mais quantas vezes, sua "Despedida" e os depoimentos de seus alunos ... quis dizer alguma coisa, mas nada se compara ao que eles dizem ... a pessoa que tem o privilégio de receber mensagens assim, já assinou sua marca no mundo. E eu descobri porque a necessidade de existir uma Academia de Letras (brasileira e pernambucana)e porque os chamam de "Imortais"! você já tem seu lugar nelas! por palavras como estas de seus alunos, você é imortal !
PARABÉNS, FLÁVIA SUASSUNA, A IMORTAL !
com muito carinho,
Rosário

 
At 5:50 PM, Blogger Yslla Araújo said...

Flávia, eu estou de coração partido por ter que largar o curso. Adoro esse teu jeito expansivo, esse teu desejo incontrolável de mudar o mundo! Sentirei muita falta dessas coisas, você pode ter certeza!

Agora eu queria que você soubesse o quanto foi bom ter conhecido você. Sei que não tivemos tempo para conversar de verdade, e isso eu realmente lamento, porque gosto de discutir com pessoas inteligentes como você! Mas oportunidades não faltarão, tenho certeza! (Nem que seja por blog... Rsrsrs).

Que o Senhor Jesus continue trabalhando na tua vida e que muitos jovens sejam abençoados pelo

 
At 5:52 PM, Blogger Yslla Araújo said...

E que muitos jovens sejam abençoados pelo seu trabalho! Você ajuda seus alunos a construirem sonhos!!! E eu te admiro por isso.

Fique na graça e na paz do Senhor Jesus. E eu continuarei a orar por você, viu?!

 
At 8:43 PM, Anonymous Paulo Fernando said...

Houve uma sensação de mais ganhos para mim neste ano,fico muito feliz por ser aluno de uma professora com o coração que nunca encotrei em toda minha vida,tanto escola quanto nos cominhos da vida.A palavra "observações" usada por você ficou carimbada.Observar a vida,o outro e as nossas ações e reações dos seres humanos nos faz olhar as veredas com outros olhares.Sempre vou olhar e observar tuas palavras dentro de mim,são importante.E vou distribuí-las a mais pessoas,repito:democratize teus pensamentos.Amo você.....,depois volto.

 
At 7:06 PM, Blogger Maria Vitória said...

Este comentário foi removido pelo autor.

 
At 11:38 PM, Anonymous Anônimo said...

...VOLTEI.Sim Flávia!vc conseguiu acertar o tema da redação da covest este ano,vc já pecebeu isso?.Na tua última aula do ano (sexta)quando uma garota a questionou sobre o que a UPE queria dos conditados na redação-consumismo,vc fez uma perguta:quem inventou a roda?e logo respodeu-o homem,prosseguiu afimando que ele não parou aí,"evoluiu" sempre busca os "++++".oche!!quando peguei a prova, de cara lembrei de vc.estou com muita saudade ;e ao passar perto do game chegar dar uma dor no coração.A dor forte corresponde ao amo gigante que sinto por essa pessoas linda de luz divina e que sabe usar bem,pq consegue dividir com os outros,isso sim é uma professora=incrível.Um abraço arrochado no coração.TE AMO.Paulo

 
At 7:23 PM, Anonymous Adriana Magalhães said...

"há um sentimento triste de amor que termina"...
Como assim? Que estória é essa?
Claro que não termina... continua!
Afinal, sempre vai aumentando as pessoas que te conhecem e que te adimiram! Sei que vc não esquece de nós e que preenchemos sua vida, somos responsáveis por parte do sentido dela, então não diga que esse amor termina, vivemos em vc e vc vive em nós!
Obg por mudar nossas vidas, saiba que vc foi um dos agentes que causadores da nova Adriana que surgiu esse ano, inclusive, tive meu natal feliz, coisa que nunca lembrei ter sido (fim de ano era super pra baixo) e terei meu ano novo tb feliz se tudo der certo, espero que vc receba tudo de bom que faz por todos nós em dobro!! Vc é professora de redação, literatura, psicóloga, mãe (uma das mais desejadas, kkk) e muito mais!
Queria muito que o GAME fizesse uma festa em janeiro com os professores e alunos, seria muito legal... e eu espero te ver antes da sua jornada (re)começar, pois pode crer que eu passarei no GAME sempre!

Te amo muitooo lindaaa!!!
Tudo de bom, que vc brilhe sempre mais e mais, cada vez!! ;)
Beijos!!!

PS: eu e aquele meu amigo que te falei estamos namorando... e está dando certo, acho que consegui passar por aquela fase, lembra? =)

 
At 3:56 PM, Anonymous Anônimo said...

Não tem como não se emocionar lendo seus texto.
Agradeço a Deus todo dia o presente que me deu, conhecer você.
Lembro de suas aulas de vida sempre.
Bjs minha querida

 
At 1:45 AM, Anonymous Mário Henrique said...

Lembro do meu primeiro dia de aula no Pré-Vestibular do Contato. Era fevereido de 1995...
Estava torcendo para que a minha professora de literatua fosse a mesma do meu irmão e dos seus amigos em anos anteriores.
Tinha feito o meu 3o ano tb no Contato e naquele momento, as minhas expectativas não tinham sido concretizadas.
E, para minha alegria, era você quem nos ensinaria. E foi a partir daquela primeira aula que nossa amizade começou e seguiu por bastante tempo. Lembro de todas as aulas. Inicialmente no Contato, ano seguinte no seu curso. Lembro de todas as conversas, das risadas, dos ensinamentos, da angústia no dia do listão.
Infelizmente, a faculdade foi me absorvendo e não me tornei tão presente quanto gostaria.
Faz tempo que não nos vemos. Mas mesmo assim, carrego seus ensinamentos comigo os quais continuo a compartilhar com o mundo. Devo muito do que sou hoje a você!
Beijos e saudades.

Mário Henrique
(Medicina - UPE - 1997)

 
At 10:20 AM, Anonymous Peste said...

Flavia, " O amor é o sol encandecente que ilumina as nossas ", e voçe é uma pessoa de muita luz.

Beijos e abraços do seu aluno
" Peste"

 
At 10:26 AM, Anonymous Peste said...

Flavia, " O amor é o sol encandecente que ilumina as nossas vidas ", e voçe é uma pessoa de bastante luz.

 
At 10:25 PM, Anonymous Elis said...

Hum, Flavinha, que saudades de voltar à sala de aula, de trabalhar com estes jovens, que encantam os meus dias. Belo texto! Beijos!

 
At 1:46 AM, Anonymous Ana Flávia said...

Flávia, fui sua aluna em 2005 e foi um prazer enorme descobrir hoje que você tem um blog!!! Lembro muito de você sempre! As suas aulas mudaram completamente a minha forma de ver o mundo! Quero te agradecer por tudo de bom que você troxe para minha vida. Tem dias que sinto uma saudade enorme das suas aulas, e dá uma vontade de correr pro GAME! Penso muito em tudo que você sempre falava! Muito bom o blog, vou acessar sempre!
Saudade grande, Ana Flávia

 
At 9:06 PM, Anonymous Anônimo said...

Cynthia aprende a escreve primeiro pra ser uma jornalista e outra para de babar os outros que isso é outra burrise sua.

 
At 10:36 PM, Anonymous Anônimo said...

Engraçado! Pensei sobre "Despedida" hoje mesmo, logo após assistir à aula de Literatura. Não sei bem o porquê, ou sei?
Penso que, desde o primeiro dia de aula, fiquei encantada com seu jeitinho simples, carinhoso e atencioso de transmitir seus conhecimentos; entristece-me saber que nossa "Despedida" está próxima.
Não tenho feito demonstrações explícitas de carinho durante o ano, porém meus olhos nunca deixaram de brilhar ao escutar de você algo belo e transformador, nunca impedi que a emoção de seus versos tomasse conta de mim, levando lágrimas... Sou grata a você por ter escolhido ser para nós, alunos, amiga, professora.
“...O que eu adoro em tua natureza,
Não é o profundo instinto maternal
Em teu flanco aberto como uma ferida.
Nem a tua pureza. Nem a tua impureza.
O que adoro em ti – lastima-me e consola-me!
O que eu adoro em ti, é a vida.”
Manuel Bandeira
É amiga sendo verdadeira, atenciosa e fiel e é professora sendo amiga.
Sentirei saudades...
Uma aluna.

 

Postar um comentário

<< Home